João Paulo Medeiros

Justiça mantém prisões de empresários suspeitos de sonegação de R$ 230 milhões

Foto: Arquivo Jornal da Paraíba

A 2ª Vara de Sousa manteve as 12 prisões de empresários, contadores e funcionários investigados na ‘Operação Terceiro Mandamento’, que investiga o uso de empresas de fachada para a prática de sonegação fiscal na Paraíba. As prisões foram mantidas durante audiência de custódia.

O grupo irá permanecer preso em presídios de Patos, Sousa e Catolé do Rocha e é investigado por crimes como organização criminosa, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

Dois empresários do Mato Grosso do Sul e do Paraná continuam foragidos.

A Justiça também determinou o sequestro de 30 caminhões que estão circulando no país e de imóveis pertencentes aos investigados.

Veja também  Por nomear filha e genro, ex-presidente de Câmara tem condenação mantida pela Justiça

Nos cálculos do Ministério Público e da Secretaria da Fazenda a sonegação fiscal praticada pode ter provocado um prejuízo de R$ 230 milhões aos cofres públicos.

O levantamento inicial mostra que houve faturamento de quase R$ 900 milhões em artigos de cama e mesa, como fios e mantas, sem o devido recolhimento do ICMS.

A investigação tem como foco empresas que atuam na região de São Bento. As prisões aconteceram semana passada.