Papo Íntimo

Wanicleide Leite

Por que as pessoas estão tendo reações ao tomar a vacina da AstraZeneca?

Fevereiro de 2020: A Covid-19 chega ao Brasil e ao ser confirmado o primeiro caso em São Paulo, providências imediatas foram tomadas para encararmos a pandemia que estava por vir. Desde então o mundo inteiro se mobilizou em busca da solução para conter o vírus: a tão sonhada vacina.

E em 2021 tivemos a grande notícia: A aprovação das vacinas! Com isso, começou a campanha de vacinação no mundo todo.

Como muito brasileiros, estou na torcida para que o maior número de pessoas possa receber as duas doses da vacina o quanto antes. Mas recentemente estamos vendo algumas pessoas tendo reações à vacina britânica Oxford-AstraZeneca, e com isso, muitos estão com medo de tomá-la. Inclusive há relatos de profissionais que trabalham nos postos de vacinação dizendo que muitas pessoas perguntam qual é a vacina disponível e quando descobrem que é a AstraZeneca, desistem de receber a vacina e vão embora alegando que vão aguardar a chegada de outras doses.

Eu, particularmente, acho isso um absurdo! Estamos há tento tempo esperando a vacina e agora as pessoas estão se negando a tomá-la? Como pode isso?

 

Mas por que a vacina AstraZeneca está gerando tantas reações?

Dentre as vacinas que chegaram ao Brasil, a AstraZeneca tem sido a mais comentada quanto às reações adversas.

As reações às vacinas é um evento comum devido à sua tecnologia. A vacina da AstraZeneca é vetor viral, usa um outro vírus (adenovírus de chimpanzés) e essa tecnologia pode induzir a reações adversas.

Esses sintomas não duram mais que dois dias e se formos comparar com o risco da Covid-19, esses eventos adversos de dor no corpo, febre e dor no local da vacina são insignificantes.

Veja também  Pandemia da Covid-19 aumenta os casos de suicídio; acolhimento e ajuda profissional são determinantes para prevenção

Vou falar a minha experiência com a vacina AstraZeneca: Quando chegou o meu momento de ser vacinada (08/03), recebi a primeira dose da AstraZeneca. Como são 90 dias de intervalo, estou aguardando a segunda dose que já está agendada para a próxima terça-feira (08/06).

Eu, como várias pessoas, tive reações, mas não foi diferente de quando eu tomei a vacina anual da H1N1. Tive sensibilidade e dor no local da injeção, fadiga, dores articulares, uma leve dor de cabeça, fiquei com dor no corpo no dia seguinte e com aquela sensação que iria gripar, mas nada me impediu de continuar minhas atividades normais.

Diante do cenário da doença, que já levou mais de 3 milhões de pessoas no mundo, sinto-me privilegiada em fazer parte do grupo que já tomou a vacina. Inclusive tomaria quantas vezes fosse necessário. O importante é lembrar que esses sintomas são passageiros e eles se tornam irrelevantes quando comparamos com os benefícios da vacina.

Eu tive a Covid-19 em agosto de 2020 e sei bem o que é ter os sintomas da doença e ficar com medo de acontecer o pior, mas graças a Deus consegui vencer esse vírus.

O meu apelo de hoje é: se chegou o seu período de tomar a vacina, não hesite e garanta logo a sua imunidade, pois o vírus ainda existe e continua matando milhares de pessoas no mundo todo.