Aids ainda não acabou!

A personagem Nanda, interpretada por Julia Dalavia, leva a aids para dentro da trama da super série Os Dias Eram Assim, da Globo.

Ela soube do diagnóstico no capítulo desta segunda-feira (21).

A história atravessou a década de 1970 e agora está em 1984. Mais ou menos no momento em que surgiram os primeiros casos e também as primeiras notícias sobre a síndrome.

Quem já era adulto há de lembrar. O medo, o preconceito, as mortes. A conscientização, o uso do preservativo, os chamados grupos preferenciais. Foi tudo muito sombrio e impactante.

O caso do ator Rock Hudson foi o primeiro envolvendo uma celebridade. No Brasil, tivemos os três irmãos Henfil, hemofílicos contaminados em transfusões, e Cazuza e tantos mais.

Caetano Veloso falou da aids na letra de Americanos, quando a doença ainda estava associada a grupos preferenciais e a gays:

Veja também  Demora em traslado no corpo de paraibano morto no Peru é atípica, segundo especialista

Viados americanos trazem o vírus da aids
Para o Rio no carnaval
Viados organizados de São Francisco conseguem
Controlar a propagação do mal
Só um genocida em potencial
– De batina, de gravata ou de avental –
Pode fingir que não vê que os viados
– Tendo sido o grupo-vítima preferencial –
Estão na situação de liderar o movimento para deter
A disseminação do HIV

Os Dias Eram Assim é uma novela que fala mais do passado do que do presente.

Tem gente que acha anacrônico falar da ditadura militar.

Tem gente que acha anacrônico falar de aids.

Nesta segunda-feira, ao mostrar o impacto do diagnóstico em Nanda e na família dela, Os Dias Eram Assim trouxe o tema para o presente.

O capítulo terminou com essa frase:

Aids ainda não acabou.