Caso Mariana Thomaz: audiência de instrução é retomada nesta sexta-feira (20)

Primeira momento da audiência do caso aconteceu na última sexta-feira (13). Acusado de matar a estudante, o empresário Johannes Dudeck, deve ser ouvido nesta sexta.

A Justiça da Paraíba retoma, nesta sexta-feira (20), às 9h, a audiência de instrução do caso Mariana Thomaz . A audiência começou na última sexta-feira (13), de forma semipresencial, no Forúm Criminal de João Pessoa e por videoconferência. Foram ouvidos os depoimentos de testemunhas, mas o do acusado de matar a estudante, o empresário Johannes Dudeck, foi adiado para esta sexta.

No primeiro momento da audiência, estavam presentes cinco testemunhas de acusação e seis testemunhas de defesa, mas apenas duas testemunhas de defesa foram ouvidas.

A audiência foi suspensa pela juíza Francilucy Rejane de Sousa, e os demais depoimentos, incluindo o do acusado, ficaram para o dia 20 de maio.

Denunciado por estupro e feminicídio da estudante Mariana Thomaz, Johannes Dudeck está preso desde o dia do crime, ocorrido no dia 12 de março, na capital paraibana.

Lei de proteção às mulheres é sancionada

Foi sancionada nesta quinta-feira (19) a Lei Mariana Thomaz, que facilita a divulgação, por parte das instituições de assistência e proteção à mulher, dos locais onde podem ser consultados os antecedentes criminais de terceiros. A lei foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) e começa a vale a partir de 90 dias.

A lei estabelece que as instituições estaduais direcionadas à assistência e acompanhamento às mulheres devem promover, em seus espaços e materiais próprios, a divulgação dos sites e demais locais de consulta sobre os antecedentes criminais de terceiros.

Veja também  Alertas laranja e amarelo de acumulado de chuvas são emitidos pelo Inmet para todas as cidades da PB

Entenda o caso

O corpo de Mariana foi encontrado no dia 12 de março de 2022, após a polícia receber uma ligação do acusado Johannes Dudeck, informando que Mariana estava tendo convulsões. A investigação observou sinais de esganaduras, então Johannes foi preso no local e encaminhado para um presídio especial de João Pessoa.

O relatório final do inquérito indicou os crimes de feminicídio e estupro, conforme informações obtidas do laudo tanatoscópico do Instituto de Polícia Científica (IPC), exame feito para comprovar a existência de violência sexual.

O empresário já tem um histórico de processos tanto na esfera criminal quanto na cível, conforme consulta feita pelo g1 nos sistemas públicos do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) e do Ministério Público da Paraíba (MPPB). Entre os casos, vários processos administrativos envolvendo empresas dele e também casos de ameaça, lesão corporal e violência contra a mulher.

A jovem, de 25 anos, era natural do Ceará e estava na Paraíba para cursar a graduação de medicina.