Disciplina sobre uso medicinal da maconha vai fazer parte de três cursos da UFPB

O componente curricular entra na grade dos cursos no semestre 2019.2

Plantação de maconha para uso medicinal. Foto: Abrace
Plantação de maconha para uso medicinal já realidade na Paraíba. Foto: Abrace

A partir de outubro, alunos dos cursos de Medicina, Biomedicina e Farmácia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) terão em suas grades curriculares a disciplina “Sistema Endocanabinoide e Perspectivas Terapêuticas da Cannabis Sativa e Seus Derivados”, que trata do uso medicinal da maconha. A criação do componente curricular foi aprovada pelo Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da UFPB, na última quinta-feira (15).

De acordo com Katy Lísias Gondim Dias de Albuquerque, criadora da disciplina, a universidade é a primeira do Brasil, no âmbito federal, a tratar dos temas nos três cursos de ensino superior. Katy Albuquerque faz parte do Departamento de Fisiologia e Patologia, e foi quem propôs a criação do componente curricular, com o objetivo de introduzir conhecimentos sobre a planta e sua relação com diversas doenças, além de ampliar os estudos farmacológicos sobre os canabinoides (endógenos e exógenos). 

Katy Albuquerque ainda comentou sobre a importância da realização de estudos voltados aos benefícios da cannabis nas universidades. Segundo ela, a formação sobre as perspectivas terapêuticas da cannabis sativa proporciona a ampliação de profissionais da saúde com menos preconceitos e mais embasamentos científicos para que, assim, o arsenal terapêutico aumente.

Disciplinas específicas para estudos sobre os efeitos terapêuticos da maconha já existem em outras universidades. Conforme explicou Katy, o curso de medicina veterinária da Universidade Federal de Santa Catarina tem uma disciplina de endocanabinologia, ministrada pelo professor Erik Amazonas. Atualmente, muitas doenças graves estão respondendo de forma satisfatória à terapia com produtos à base de cannabis.