João Paulo Medeiros

Presidente da Famup considera "injusto" corte de convênios com cidades da Paraíba

George Coelho prometeu levar situação à bancada federal paraibana, para tentar reverter medida

Foto: Famup

O presidente da Federação das Associações dos Municípios da Paraíba (FAMUP), George Coelho, reagiu duramente ao cancelamento de convênios, feito pela Fundação Nacional de Saúde (FUNASA) com 42 cidades paraibanas. Ele classificou a medida como “injusta” e disse que a população dos municípios ficará prejudicada, caso a decisão do Governo Federal não seja revista.
“Nós sabemos da necessidade dos municípios que precisam desses convênios. São obras importantes, de saneamento básico, de tratamento de resíduos sólidos que precisam ser executadas. A Famup ver com preocupação e estamos conversando com nossos representantes federais para que o Governo Federal volte atrás nessa decisão”, afirmou George Coelho.
Entre as cidades atingidas pelo cancelamento estão Campina Grande, Catingueira, Santa Helena, Ingá, Boa ventura, Pedra Lavrada, Soledade, Itabaiana, Araçagi, Várzea, São Mamede, Sossego, Uiraúna, Vieirópolis e Picuí. No total o cancelamento suspende R$ 33,4 milhões em convênios que deveriam ser liberados para os municípios do Estado.

Veja também  Polícia Federal combate desmatamento na Amazônia, e São Bento, na Paraíba, entra na rota da Operação Hardwood

Possibilidade
No caso de municípios que possuem obras físicas já iniciadas, em convênios firmados entre os anos de 2016 e 2018, ainda é possível a liberação dos recursos. Para isso as prefeituras devem procurar a Funasa para apresentarem informações sobre os projetos e garantir a continuidade dos serviços. De acordo com a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), o cancelamento dos convênios aconteceu por falta de orçamento do órgão federal.