Especialistas apresentam cuidados que a estação mais quente do ano exige

Entre recomendações, estão beber água, evitar exposição ao sol entre 10h e 16h, quando sol é mais forte, e usar protetor solar.

Em tempo de calor intenso, com alta sensação térmica, e em alguns dias a temperatura por volta dos 40º graus, como tem feito em João Pessoa, todo cuidado é pouco para aproveitar, de forma adequada, o verão. Os especialistas recomendam beber água, evitar exposição ao sol no período entre 10h e 16h, quando o sol é mais forte, e usar protetor solar. A exposição excessiva aos raios solares pode trazer malefícios à saúde, e, só com uma proteção adequada, se consegue um bronzeado saudável e duradouro.

Na estação mais quente do ano, também não podemos esquecer os cuidados com a alimentação, uma vez que é preciso oferecer mais atenção na hidratação do corpo e com a qualidade dos alimentos ingeridos em lugares públicos, tendo em vista que a alimentação interfere diretamente no bem-estar das pessoas. Comer alimentos leves e saudáveis, como saladas, frutas, verduras, legumes, grãos e proteínas, é fundamental. Os líquidos devem estar intensamente presentes na dieta, visto que, por causa da transpiração, a necessidade de hidratação é maior.

Por causa das altas temperaturas da estação, a jornalista Laena Antunes, toma algumas precauções ao sair de casa com os dois filhos pequenos. “Quem tem criança não pode se descuidar, pois, durante o verão, os efeitos nocivos do sol podem trazer implicações devastadoras, por isto mesmo tenho alguns cuidados que vão além da praia e piscina. Também aplico protetor solar neles quando vamos a um lugar aberto em que as crianças ficarão muito tempo expostas ao sol. Por exemplo, quando fazemos um piquenique ou passeio na Bica; outra situação em que passo protetor na criançada é quando vamos viajar de carro. Mesmo tendo fumê e telinha de proteção nos vidros das janelas, ainda sim, percebo que eles ficam expostos ao sol. Então gosto de passar o produto ao menos no rostinho e pescoço”, explicou a mãe de Pedro Neto, de seis anos, e Alice, de dois anos.

Pais devem tomar cuidados com as crianças, que costumam sofrer mais com queimaduras de sol e desidratação. (Foto: Divulgação/Herbert Clemente)

Laena Antunes comentou que também não se descuida da hidratação dos filhos e que sempre anda equipada com líquidos, visando, assim, reduzir os riscos da desidratação. “Para todo lugar que vamos, sempre levo uma bolsa com garrafinhas de água para os dois e, algumas vezes, sucos integrais de caixinha. Tenho mais dificuldade com o meu filho mais velho que não gosta de beber água e preciso oferecer água o tempo todo. Quando ele era bebê, muitas vezes eu dava água na seringa para mantê-lo hidratado”, ressaltou.

Para o médico e professor de Gastroenterologista da Universidade Federal da Paraíba – UFPB, Heraldo Arcela, nessa época, as pessoas precisam ter mais cuidado com a alimentação. Por causa do calor, o nosso corpo transpira mais e exige muito mais hidratação. “As pessoas que não costumam ingerir líquidos devem começar a criar essa rotina, pois a tendência é que as temperaturas aumentem e a necessidade por água também”, destacou. 

Comidas leves, de preferência
Muitas pessoas costumam falar que sentem menos fome durante o verão, principalmente por conta da alta temperatura ou mesmo porque estão entretidas em atividades como, por exemplo, desfrutar de momentos no mar ou na piscina. Mas, nesse período, é muito importante se alimentar corretamente e, de preferência, optar por comidas leves: bastante salada, crua ou cozida, cereais integrais, carnes brancas, feijão e frutas frescas, de preferência caldosas.

Refeições leves são um dos segredos para aproveitar o verão de forma saudável, afirma gastroenterologista. (Foto: Divulgação)

Segundo o gastroenterologista Heraldo Arcela, que também é cooperado da Unimed João Pessoa, intoxicações alimentares podem ser evitadas através do cuidado que as pessoas devem ter por ocasião do consumo dos alimentos.

“Nessa época de férias, muitas pessoas gostam de consumir alimentos advindos do mar, como por exemplo, o caranguejo. Mas, seria importante, antes da alimentação, fazer uma observação do bar ou restaurante escolhido e observar as condições de higiene do mesmo, se possível, ter acesso à cozinha do estabelecimento, para observar as condições em que o alimento é preparado e manipulado. Outra situação comum são os mantimentos vendidos nas praias. As condições de armazenamento são fundamentais para evitar a contaminação por bactérias e vírus”, explicou.

“As bebidas mais recomendadas para esta estação são: água, sucos naturais e água de coco, para evitar a perda de líquido do nosso corpo. O uso da cerveja pode ser feito, porém com muita moderação e pelas pessoas que não estejam conduzindo veículos”, finalizou Heraldo Arcela.

É indispensável a proteção à pele
No verão, os dias ficam mais quentes e a exposição ao sol aumenta. Na busca do bronzeado perfeito, muitas pessoas ficam expostas geralmente sem nenhum tipo de cuidado ou precaução, o que é um risco para a saúde do corpo e principalmente da pele. Para o dermatologista cooperado da Unimed João Pessoa, Jáder Freire, nesse período a radiação solar incide com mais intensidade sobre a Terra, aumentando o risco de queimaduras, câncer da pele e outros problemas. Por isso, não podemos deixar a fotoproteção de lado.

Filtro solar adequado é um dos itens indispensáveis para o verão, indica dermatologista. (Foto: Divulgação)

“Além do filtro solar (nosso de todo dia), no verão é importante usar chapéu e roupas de algodão nas atividades ao ar livre, pois retêm cerca de 90% da radiação UV. Tecidos sintéticos como o nylon, retêm apenas 30%. Evite a exposição solar entre 10h e 16h (horário de verão). As barracas usadas na praia devem ser feitas de algodão ou lona, materiais que absorvem 50% da radiação UV. Outro objeto que tem extrema importância são os óculos de sol, que previnem cataratas e lesões à córnea”, explanou.

Jáder relembrou que o protetor solar deve ser aplicado diariamente, e não somente nos momentos de lazer. “Aplique o produto 30 minutos antes da exposição solar, para que a pele o absorva. Reaplique-o a cada duas horas, mas fique atento, esse tempo diminui se houver transpiração excessiva ou se você entrar na água. Aplique o protetor uniformemente em todas as partes do corpo, isso inclui mãos, orelhas, nuca, pés. Em crianças, inicia-se o uso do filtro solar a partir dos seis meses de idade, com um protetor adequado à pele sensível da criança, de preferência os filtros físicos”, frisou.

O dermatologista ressaltou ainda que é preciso que as crianças e jovens criem o hábito de usar o protetor solar diariamente, pois 75% da radiação acumulada durante toda a vida ocorre na faixa de 0 e 20 anos. Já com relação aos cuidados com a pele dos idosos, as recomendações são as mesmas, contudo devem-se usar bastante hidratantes e procurar um dermatologista para avaliar a pele a cada seis meses, pois nessa fase ocorre maior número de casos de câncer de pele.