Fabi Cavalcanti
Miguel Cavalcanti

Gatos e mudanças

Imagem cedida por Thiago Zanetti Fotografia

 

Temos cinco gatos, quatro fêmeas e um macho, todos castrados. 

Quando nos mudamos de um apartamento para uma casa, esperávamos que os gatinhos ficassem mais tranquilos pois teriam mais espaço e mais liberdade. Porém, inicialmente, foi um caos. Eles, que sempre conviveram muito bem, começaram a se estranhar, ficaram meio rebeldes no uso das caixas de areia e levaram um tempinho para se adaptar ao novo local. 

Gatos são territoriais por natureza. 

De hábitos bem definidos e com a relação que desenvolvem com seu o espaço, qualquer mudança tanto na rotina quanto de local, pode gerar um estresse enorme para um gatinho. Como consequência desse estresse, os gatos podem apresentar alguns comportamentos indesejáveis, como arranhar móveis excessivamente, demarcação de território mesmo sendo castrados, esconder-se, perseguir e entrar em brigas com os outros gatos da casa.

Os gatos possuem glândulas localizadas na região dos lábios, queixo e bochechas que produzem esses compostos químicos chamados feromônios. Os feromônios os auxiliam a “classificar” o ambiente em conhecido e desconhecido, demarcando o seu local e trazendo uma sensação de tranquilidade e conforto.

O que fez uma diferença enorme na adaptação deles foi o uso de um difusor que contém um substituto sintético de um dos tipos do feromônio facial, conhecido por F3.

 Nunca havíamos testado e, para eles, foi excelente. Os conflitos acabaram, a guerra das caixas de areia também. 

Além do difusor, que pode ficar ligado na tomada; a mesma substância é encontrada em spray e  pode ser borrifada nos locais onde ocorreu a marcação de território, em portas, janelas e caixa de transporte. 

E você, já passou por situação semelhante? 

Queremos conhecer a sua história. Mande um email para cadernoanimal@gmail.com