Estudo detecta exaustão em 65% dos docentes da rede pública de JP

Maioria dos entrevistados apresentou sintomas.

Karoline Zilah
Com informações da Fiocruz

A Síndrome de Burnout é uma doença do trabalho que já tem sido considerada caso de saúde pública na opinião dos especialistas. As pressões psicológicas no ambiente profissional, o desprestígio social e a falta de motivação tanto por parte do funcionário quando de seu empregador têm sido apontadas como as principais causas para esgotamento físico e mental. A frase de uma professora do Ensino Fundamental em João Pessoa resume o drama desta situação: "Hoje o trabalho do professor é muito estressante: meu sofrimento é o meu trabalho".

A frase foi dita durantes pesquisas da psicóloga Jaqueline Brito com professores da rede pública de ensino de João Pessoa. Em contato com 265 professores, ela percebeu que 65% apresentavam alto nível de exaustão emocional por causa do trabalho. "Trabalhar com gente adoece, e não é pouco. E não é estresse físico, é mental", revela.

Jaqueline desenvolveu um estudo sobre o assunto pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) de Pernambuco e concluiu que a realidade detectada em João Pessoa pode ser estendida a muitos outros professores do país, que são submetidos a condições de trabalho semelhantes.

O estudo verificou que 23,4% dos professores do nível Fundamental apresentaram alto nível de despersonalização, 55,5% alto nível de exaustão emocional e 85,7% alto nível de realização pessoal no trabalho. A psicóloga explica que este último percentual, embora pareça contraditório, é na verdade uma característica da Síndrome de Burnout. As pessoas não atribuem ao trabalho a razão da sua estafa física e emocional.

Profissionais não reconhecem que sofrem da doença

Foi exatamente este o quadro apresentado pela pedagoga Cleoneide Jerônimo, de 42 anos. Sempre esforçada para fazer o seu melhor junto aos alunos, ela não reconhecia que estava doente porque pensava que o sentimento de exaustão era uma fraqueza de sua parte.

Professora das redes públicas estadual e municipal em João Pessoa, ela sempre teve uma jornada tripla de trabalho: foram 20 anos de sala de aula, além de especialização e mestrado.

Apesar de administrar o tempo, aos 37 anos de idade ela começou a apresentar uma forte crise de labirintite. Procurou o médico e voltou para casa com receita de medicamentos para tratar o problema, mas não percebeu que sua situação estava além dos sintomas físicos.

Veja também  Veja as 60 vagas de emprego disponíveis no Sine de Campina Grande nesta segunda (27)

Quando saí da crise, tentei voltar à minha rotina, mas senti dificuldade em administrá-la principalmente em sala de aula, pois não conseguia organizar-me como de costume. Entretanto, só associei tais problemas à Síndrome três anos depois, quando fiz parte da pesquisa da professora Jaqueline. Foi a partir do monitoramento da pesquisa que percebi que não sofria só o estresse causado pela labirintite, mas um conjunto de fatores que me adoecia. E o pior é que eu não reconhecia como doença, e pensava que se tratava de uma fraqueza de minha parte, pois eu sempre dei o melhor de mim em tudo que fazia.

No caso de Cleoneide, não foi preciso terapia, nem medicamentos para se tratar: o fato de admitir os sintomas foi um grande passo para a recuperação. "Só o fato de reconhecer a causas da doença foi o suficiente para não adoecer mais. Passei a respeitar meus limites, buscando o equilíbrio entre profissão, família, estudos, lazer e priorizando sempre o meu bem estar", explica.

"Hoje sei que sou melhor profissionalmente e acredito que conhecer os fatores da Síndrome de Burnout me proporcionou um conhecimento que vou levar para a vida: trabalhar com o ser humano, como também a busca de conhecimentos, não precisa ser algo que me consuma, e sim algo gratificante. Mas para isso é preciso por em prática diariamente a grande lição do mestre dos mestres: conhece a ti mesmo", complementa.

Falta de estímulo na profissão

Segundo a psicóloga Jaqueline Brito, o quadro apresentado na pesquisa se deve a fatores sociais, ambientais e pessoais sempre relacionados ao trabalho. "O que pode ser feito para reverter a situação é considerar os aspectos da realidade do professor, o que inclui gestores, alunos, família dos alunos, família dos professores e colegas de trabalho", revela a pesquisadora.

Segundo ela, também é possível desenvolver medidas com o objetivo de minimizar as consequências do desconforto das salas de aula na saúde dos docentes. Outra alternativa é a construção de um serviço multidisciplinar de atenção à saúde do professor para proteger e recuperar a saúde dos profissionais, incluindo-os em programas de combate ao estresse.