Portaria do Ministério do Trabalho proíbe que empresas exijam comprovante de vacinação

Proibição vale também para casos de demissão por falta de vacinação.

Foto: Divulgação

O Ministério do Trabalho publicou uma portaria, nesta segunda-feira (1º), com a proibição de que empresas exijam comprovante de vacinação para contratação ou manter o emprego do trabalhador.

 >> Veja a íntegra na portaria

Conforme o documento, fica proibido “na contratação ou na manutenção do emprego do trabalhador, exigir quaisquer documentos discriminatórios ou obstativos para a contratação, especialmente comprovante de vacinação, certidão negativa de reclamatória trabalhista, teste, exame, perícia, laudo, atestado ou declaração relativos à esterilização ou a estado de gravidez”.

Ainda de acordo com o texto, é considerada uma prática discriminatória “a obrigatoriedade de certificado de vacinação em processos seletivos de admissão de trabalhadores, assim como a demissão por justa causa de empregado em razão da não apresentação de certificado de vacinação”.

Veja também  Rede de fast food abre mais de 30 vagas de emprego para atendente na Paraíba

O empregador, no entanto, deve estabelecer e divulgar orientações ou protocolos com a indicação das medidas necessárias para prevenção e controle da Covid-19, assim como incentivar a vacinação de seus trabalhadores.

Já com o objetivo de assegurar a preservação das condições sanitárias no ambiente de trabalho, os empregadores podem oferecer ações de testagem que comprovem a não contaminação pela Covid-19. Neste cenário, os trabalhadores ficam obrigados à realização de testes ou a apresentação de cartão de vacinação.

O rompimento da relação de trabalho, nesses casos, pode gerar uma reparação por dano moral e a reintegração com ressarcimento integral de todo o período de afastamento.