Sinfônica Municipal executa concerto dedicado a Alberto Nepomuceno

Apresentação será no Auditório Celso Furtado do Centro Cultural Ariano Suassuna.

“Pai” do Nacionalismo na música erudita brasileira, Alberto Nepomuceno (1864-1920) volta a ser celebrado pela Orquestra Sinfônica Municipal de João Pessoa no 5º Concerto Oficial da Temporada 2016, o segundo dedicado ao compositor cearense. A apresentação está agendada para este sábado (2), às 18h, no Auditório Celso Furtado do Centro Cultural Ariano Suassuna, localizado na sede do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB), em Jaguaribe. A entrada é gratuita.

Sob a regência do maestro-titular Laércio Diniz, a Sinfônica municipal irá executar três grandes obras: ‘Batuque’, de Nepomuceno; ‘Fantasia concertante para viola e contrabaixo’, de Karl Ditters von Dittersdorf (1739-1799), e ‘Sinfonia n. 3 em Fá Maior Op. 90’, de Johannes Brahms (1833-1897).

Escrita por Nepomuceno durante a temporada do brasileiro na Alemanha, ‘Batuque’ (inicialmente chamada de ‘Dança dos negros’) é, segundo Laércio Diniz, uma das peças mais representativas e populares da carreira do compositor cearense.

“A peça adquiriu notoriedade separadamente da ‘suíte’ (ela integra a ‘Série Brasileira’) e influenciou o aparecimento de outros tantos ‘Batuques’ que fazem parte do repertório sinfônico e instrumental brasileiro. Defensor da incorporação de elementos brasileiros à música de concerto, na ocasião Alberto Nepomuceno uniu o popular reco-reco à percussão orquestral em caráter inédito”, ensina o maestro.

Veja também  Opinião: Elza, nossa voz de mulher preta, por Silvia Torres

A ‘Fantasia concertante’ do austríaco Dittersdorf terá a participação mais que especial de dois solistas, os jovens paraibanos Daniel Pinna (contrabaixo) e Daniel Espinoza (viola).

O contrabaixista Pinna, vencedor do prêmio ‘Jovens Solistas’, desenvolve sua carreira entre a Paraíba e os Estados Unidos, onde chegou a participar de orquestras como a Southern California Orchestra, Pasadena Symphony e LA Virtuosi. Ainda nos EUA, integrou a orquestra que executou a estreia de ‘Sinfonietta per Sofia’, em homenagem à lendária atriz Sophia Loren.

Já Espinoza é Primeira Viola do Quarteto de Violas da UFPB, assistente de Primeira Viola da Orquestra Sinfônica Municipal de João Pessoa, violista da Orquestra Sinfônica Jovem da Paraíba e professor de viola no projeto Ação Social pela Música do Brasil.

O programa termina ao som da ‘Terceira sinfonia’ de Brahms. “Planejada desde 1880 e completada em 1883 durante o verão passado em Wiesbaden, é uma sinfonia muito avançada em termos de forma e conteúdo”, ensina Diniz. “Influenciada por Beethoven e Schumann, esta obra foi apresentada em Viena no dia 2 de dezembro de 1883, sob a direção do Maestro Hans Richter, que a nomeou de ‘Heróica’, especialmente por causa do primeiro movimento”.