Erasmo Carlos morre no Rio aos 81 anos

Tremendão é considerado um dos pioneiros do rock nacional e um dos expoentes da Jovem Guarda.

Erasmo Carlos (Foto: Divulgação Som Livre / Guto Costa)

Morreu nesta terça-feira (22) no Rio de Janeiro o cantor Erasmo Carlos, considerado um dos pioneiros do rock brasileiro. Ele estava com 81 anos e vinha enfrentando problemas de saúde nos últimos tempos. Em outubro, o Tremendão, como era mais conhecido, chegou a ser internado em estado grave, mas se recuperou e recebeu alta duas semanas depois. Mais uma vez internado no Hospital Barra D’Or, na Zona Oeste do Rio, a morte do artista foi confirmada no início da tarde. Ele deixa a esposa e três filhos.

O artista vinha tratando uma síndrome edemigêmica, doença que ocorre quando há um desequilíbrio das forças bioquímicas que mantêm os líquidos dentro dos vasos sanguíneos. Geralmente é causada por patologia cardíacas, renais e dos próprios vasos.

Erasmo Carlos era um dos grandes nomes do rock brasileiro e sua parceria com Roberto Carlos é considerada a mais longeva da música nacional. Ao longo de mais de 50 anos de carreira, Erasmo deixou como legado mais de 600 canções, incluindo vários sucessos, como “Sentado à Beira do Caminho”, “Minha Fama de Mau”, “Mulher”, “Quero que tudo vá para o inferno”, “Mesmo que seja eu”, “É proibido fumar”, “É Preciso Saber Viver” e “O Bom”.

Nascido e criado na Tijuca, zona norte do Rio de Janeiro, Erasmo sempre foi apaixonado por música e desde o início se mostrou empolgado com o rock. Aprendeu a tocar violão com Tim Maia e chegou a integrar uma banda com o amigo no início da carreira.

Mas foi a amizade e a parceria com Roberto Carlos que seguiu firme ao longo das décadas. Pelo menos 80% das 600 músicas de Erasmo foram em parceria com Roberto Carlos.

Ao longo de sua produção artística, o Tremendão gravou mais de 30 discos e participou também de alguns filmes como ator. O primeiro dos filmes em 1970 e o último deles 50 anos depois, em 2020.

Ao lado de Wanderléa e de Roberto, ele protagonizou o programa de TV Jovem Guarda. Depois, os três, ao lado de outros artistas, transformaram o programa num movimento cultural homônimo que teve grandes repercussões nos anos 1960 e 1970.

O último disco de Erasmo foi lançado em fevereiro deste ano. E marcou o ato final de uma vitoriosa carreira. Isso porque “O futuro pertence à… Jovem Guarda” venceu há apenas cinco dias o Grammy Latino 2022 na categoria “melhor álbum de rock ou de música alternativa em língua portuguesa”. Foi o segundo prômio do tipo na carreira de Erasmo, que já havia vencido em 2014.

Erasmo Carlos morre no Rio aos 81 anos
Capa do último disco de Erasmo Carlos, premiado cinco dias atrás