Lady Gaga canta muito. Com Mal de Alzheimer, Tony Bennett se despede da música em álbum gravado com ela

Os que não gostam do pop produzido por Lady Gaga podem dizer tudo. Menos que ela não canta. Já Tony Bennett há muito é reconhecido como um dos grandes cantores dos Estados Unidos. Os dois estão juntos num álbum de jazz chamado Love For Sale, lançado há pouco pela Columbia.

Lady Gaga tem 35 anos e está na estrada há quase duas décadas. É um dos símbolos mais poderosos da música pop contemporânea, como um dia já foram Michael Jackson e Madonna. Ficar contra o que ela faz é bobagem. Melhor procurar o que há de bom. E há.

Tony Bennett tem 95 anos. Carreira longeva. Grava desde o início da década de 1950. É muito respeitado, mas nem sempre foi assim. Era considerado muito “comercial” no tempo em que havia Frank Sinatra. E, convenhamos, com Sinatra por perto, não sobrava para ninguém.

Tony Bennett enxergou o talento de Lady Gaga. Como enxergou o de Amy Winehouse. Há sete anos, Bennett e Gaga gravaram Cheek To Cheek, álbum de jazz com um repertório todo de standards da música americana. Já Love For Sale, tristemente, encerra a parceria. É que o artista está se despedindo da carreira.

Tony Bennett foi diagnosticado com Mal de Alzheimer, e este é seu último álbum. Durante a gravação, teve que ler as letras de canções que cantou a vida inteira. Love For Sale é um breve songbook de Cole Porter, um dos maiores compositores dos Estados Unidos. Uma espécie de Tom Jobim de lá.

O resultado, não fosse a nota melancólica da despedida, soa delicioso. Em Bennett, temos a voz de um homem velho, mas ainda cheio de feeling. Em Gaga, o que há é uma grande cantora. Ouvi-los fazendo o repertório de Porter é – como dizem os americanos – superb.