Com o preço proibitivo, álbum inédito dos Beatles é um tesouro escondido na edição de luxo de Let It Be

Se há uma novela sem fim na carreira dos Beatles, ela se chama Let It Be. Ou Get Back, como queiram. Começou, na prática, em janeiro de 1969. Já dura, portanto, mais de 50 anos. Os capítulos mais recentes trazem grandes emoções para os fãs do grupo.

Uma dessas emoções é um álbum inédito. E um álbum inédito dos Beatles não é pouca coisa. Ele se chama Get Back e é um verdadeiro tesouro escondido na edição de luxo do Let It Be, que foi lançada na semana passada. Essa edição comemora, com um ano de atraso, o LP que o quarteto lançou em 1970.

Tento explicar. Em janeiro de 1969, os Beatles se reuniram para colocar em prática o projeto Get Back. Dele, sairiam um show, um filme e um disco. A ideia era uma volta à simplicidade do início da carreira. Daí que a foto tirada para a capa do disco repetia a pose da capa do Please Please Me, primeiro álbum da banda, de 1963.

O disco Get Back, mixado pelo engenheiro de gravação Glyn Johns, foi engavetado, bem como todo o projeto. Os Beatles terminariam o ano de 1969 gravando o álbum Abbey Road, e, em abril e 1970, estavam separados. O projeto inicialmente chamado de Get Back se transformaria no LP Let It Be e no filme homônimo.

Veja também  Bolsonaro deu o que prometeu. O Supremo tem, afinal, seu ministro terrivelmente evangélico

Let It Be teve produção de Phil Spector e jamais foi assimilado por Paul McCartney. Em 2003, McCartney tentou consertar a coisa fazendo Let It Be…Naked, mas não convenceu. Agora, na edição de 50 anos, quis mexer na faixa The Long and Winding Road e não recebeu o OK de Giles Martin, produtor da reedição.

O box comemorativo dos 50 anos do Let It Be traz, no seu conjunto de CDs, a íntegra do disco Get Back, com a capa planejada na época e a mixagem de Glyn Johns. É cheio de imperfeições, mas, ao menos, é mais próximo do projeto original dos Beatles do que o disco produzido por Spector. O que não quer dizer que seja melhor.

O grande problema é o preço. Se você é daqueles ouvintes que não se contentam com os serviços de streaming e querem a edição física, o preço da edição de luxo do Let It Be – que vem com a mixagem de Glyn John – não é nada convidativo. Custa algo em torno de 1.800 reais.