Os Beatles depois dos Beatles. Colunista aponta projetos mais importantes

São cinco horas da manhã desta quinta-feira (25), e o documentário The Beatles: Get Back, de Peter Jackson, já está liberado para assinantes brasileiros do canal Disney Plus. Vamos vê-lo com serenidade entre esta quinta e sábado (27), quando a última das três partes de duas horas estará disponível. Até lá, creio que a emoção se sobreporá à razão para os que, há tanto tempo, ouvem a música dos Beatles.

Se pensarmos na relação que eles conseguiram estabelecer com homens e mulheres do século XX, foram mais importantes do que os que estudaram nas academias e produziram a música erudita contemporânea. Antes que me chamem de louco, a opinião não é minha, mas do maestro Leonard Bernstein.

É dele, Bernestein, uma das mais comoventes definições dos quatro Beatles que já li: “Ringo, um ator-instrumentista adorável; George, um talento místico irrealizado; porém, John e Paul, São John e São Paul, eram, e fizeram, e aureolaram, beatificaram e eternizaram o conceito que será sempre conhecido, lembrado e profundamente amado como The Beatles”.

A notícia do fim dos Beatles foi dada por Paul McCartney em abril de 1970. Alguns projetos dos Beatles depois dos Beatles merecem aplausos. Tento enumerar os melhores na coluna de hoje:

ANTHOLOGY – Um documentário com duração em torno de 10 horas. No Brasil, foi exibido pela Globo. Está disponível numa caixa com cinco DVDs. Tem  o filme, o livro com a transcrição do que é dito no documentário, além de seis CDs (três álbuns duplos). Neles, duas músicas de John Lennon são “completadas” por Paul, George e Ringo e “ressuscitam” os Beatles.

Veja também  Amor, Sublime Amor, de Steven Spielberg, é grande estreia nos cinemas nesta quinta-feira

OS BEATLES NA BBC – Dois álbuns duplos inacreditáveis com as passagens dos Beatles pela BBC, a emissora de rádio do Reino Unido. Tecnicamente limitadas, a gravações são deliciosas e têm inquestionável valor histórico.

LOVE – O encontro do Beatles com o Cirque du Soleil gerou um grande espetáculo, em Las Vegas, e um álbum que só George Martin (ou seu filho Giles) poderia fazer. No disco, a música dos Beatles é recriada, desmontada e remontada como se fosse um velho disco psicodélico do tempo do Sgt. Pepper.

50 ANOSSgt. Pepper em 2017, White Album em 2018, Abbey Road em 2019, Let It Be agora em 2021, com um ano e meio de atraso por causa da pandemia. As edições comemorativas são belos presentes para os fãs.

Agora, é torcer para que Get Back esteja à altura do que há de melhor dos Beatles depois dos Beatles.