Amor, Sublime Amor, de Steven Spielberg, é grande estreia nos cinemas nesta quinta-feira

Steven Spielberg vai fazer 75 anos no próximo dia 18 de dezembro. Nove dias antes, ele nos entrega a sua versão de Amor, Sublime Amor (West Side Story), que chega aos cinemas do mundo nesta quinta feira (09). O filme seria lançado no Natal de 2020, mas foi adiado em um ano por causa da pandemia.

É o primeiro musical de Spielberg. Se tomarmos como referência Encurralado, de 1971, feito originalmente para a televisão, mas logo lançado nos cinemas, são 50 anos de carreira realizando filmes de longa-metragem. O cineasta levou, então, uma vida, para incursionar por este gênero que deu grandes clássicos ao cinema.

Em seu primeiro musical, Steven Spielberg não quis revolucionar o gênero. Não quis dirigir um filme que transformasse o gênero em algo que ficasse conhecido como antes e depois de Spielberg. Não quis provocar uma ruptura. Não. Nada disso. Spielberg é um homem velho. Não precisa mais dessas coisas.

Mas o cara que nos deu Tubarão, E.T. e A Lista de Schindler se permitiu uma tarefa muito mais árdua: refilmar um clássico absoluto do gênero. Assinar o remake de um filme que, aí sim, revolucionou um gênero, fazendo a passagem do seu período clássico para um tempo de musicais modernos.

A primeira versão de Amor, Sublime Amor tem 60 anos. Transpõe para a telona o musical que chegou aos palcos em 1957. Robert Wise, que divide a direção com Jerome Robbins, já entrara tanto no mundo do boxe (Punhos de Campeão) quanto no da ficção-científica (O Dia em Que a Terra Parou).

Veja também  Emburrecemos. Por isso, Chico Buarque não canta mais Com Açucar, Com Afeto

Amor, Sublime Amor foi um sucesso. Na cerimônia do Oscar de 1962, depois de receber 11 indicações, arrebatou 10 estatuetas. O filme lotou os cinemas e recebeu o aplauso da crítica. Já adquirira status de verdadeiro clássico quando voltou, no início dos anos 1970, para comemorar seu décimo aniversário.

Sua história é inspirada em Romeu e Julieta. No lugar de opor duas famílias, como na trama de Shakespeare, opõe duas gangues na Nova York da década de 1950. Americanos cujas famílias vieram da Europa e imigrantes vindos de Porto Rico brigam nas ruas, enquanto, entre eles, nasce o amor de Tony e Maria.

Amor, Sublime Amor, o de 1961, é simplesmente deslumbrante. Por tudo o que há nele. O libreto e as danças se fundem com as melodias inesquecíveis escritas pelo maestro Leonard Bernstein, grande figura que transitou entre o erudito e o popular na música do século XX.

No elenco (fiquemos com duas mulheres incríveis), temos a Maria de Natalie Wood e a Anita de Rita Moreno, que faz uma ponta na nova versão. O duo delas em A Boy Like That/I Have a Love é extraordinário, um dos pontos altos do filme. Tanto quanto Mambo, Maria, America, Tonight e Somewhere.

Os que amam, como eu, Amor, Sublime Amor há muito esperam pelo remake de Steven Spielberg. O que a refilmagem nos reserva? Que seja um tributo com a assinatura de um grande cineasta, jamais uma decepção. Veremos na quinta-feira.