Será que o presidente Jair Bolsonaro não é um verdadeiro patriota? Dá pra pensar!

 

Em 1972, o Brasil festejou os 150 anos da Independência. A ditadura militar fez uma vasta programação, que começou no dia 21 de abril, o feriado de Tiradentes, e terminou no dia 7 de setembro, o feriado da Independência. Os militares que estavam no poder sabiam que o Sesquicentenário era útil como propaganda do regime, mas acredito que, neles e ao modo deles, havia também um real sentimento de patriotismo.

No encerramento da festa, os cinemas de todo o país exibiram, em estreia, o filme Independência ou Morte, que trazia Tarcísio Meira no papel de Dom Pedro I. Salas lotadas e aplausos na hora em que Dom Pedro dava o grito do Ipiranga. Aos 13 anos, mesmo já sendo opositor da ditadura militar, eu estava numa delas (Cine Plaza, em João Pessoa) e testemunhei.

Cinco décadas se passaram. Meio século. E cá estamos nós às vésperas do Bicentenário da Independência. O Brasil saiu da ditadura, foi redemocratizado, defenestrou dois presidentes eleitos democraticamente e agora, nos 200 anos do grito de Dom Pedro, governado por um presidente de ultradireita, está a menos de cinco meses da eleição presidencial e a menos de quatro do 7 de Setembro.

O presidente Jair Bolsonaro é um ex-militar. Foi um mau militar, segundo o general Ernesto Geisel, mas age como se não tivesse sido. Com a formação que teve, sempre se apresentou como um verdadeiro patriota. Com todos os defeitos que tem, era, portanto, de se esperar dele e do seu governo uma grande comemoração do Bicentenário da Independência.

Veja também  Eric Clapton está com Covid. Guitarrista foi contra o isolamento social e a vacina

Que nada! A notícia mais recente que li, dias atrás, trata do desejo, do governo brasileiro, de pedir emprestado, ao governo português, o coração de Dom Pedro. Mas, até agora, ainda não há um pedido formal. Do governo de Bolsonaro, estamos vendo muitas coisas, menos uma programação à altura do Bicentenário da Independência.

Esta semana mesmo, só se fala de golpe. Conspirações dentro do governo, envolvendo generais que auxiliam o presidente – é disso que o noticiário dá conta. A possibilidade de um golpe passou a ser tema tratado sem qualquer cerimônia no Brasil. Até o governo americano já se manifestou.

Pergunta-se, então: e o Bicentenário da Independência? Não é importante? Onde estão os patriotas do governo? Onde está o presidente Jair Bolsonaro? Será que o homem que se apropriou da Bandeira Nacional, do Hino Nacional e do verde e amarelo não é um verdadeiro patriota? Dá pra pensar.