Cockroaches, a maior banda de rock’n’ roll do mundo, só agora é ouvida em show de 45 anos atrás

Você já ouvir falar em The Cockroaches? Muito provavelmente, não. Pois bem, é a maior banda de rock’n’ roll do mundo. Em 1977, o grupo – à época, um quinteto; mais tarde, um quarteto; atualmente, um trio – fez dois shows em Toronto, Canadá, para uma pequena plateia. O registro, à exceção de quatro faixas lançadas num álbum logo depois, ficou inédito por 45 anos, até que, em maio último, chegou ao mercado em CD, LP e nas plataformas digitais.

Os shows foram em março de 1977 no El Mocambo, uma casa aberta no final da década de 1940. Em cada noite, havia 300 pessoas na plateia. Um outro grupo se apresentou, mas o grande negócio mesmo era ver de perto uma banda como The Cockroaches. Em matéria de rock’n’ roll, eles eram – e ainda são – imbatíveis, sobretudo nas performances ao vivo. Até hoje, aqueles dois shows são chamados de “secretos”.

Em 1977, The Cockroaches já tinham 15 anos de carreira. Muita gente – mesmo fãs – achava que eles estavam no fim. Eles próprios talvez achassem. O mundo do rock’n’ roll passara por grandes transformações. A indústria do disco e do entretenimento, também. E talvez o tipo de música que a banda produzia estivesse velho. Afinal, o que se consumia naquele momento era disco music e punk rock, que não eram territórios dos Cockroaches.

Mas The Cockroaches não estavam velhos coisa nenhuma. Se pensarmos em idade, somente um integrante passara dos 40 anos. Os demais ainda estavam na casa dos 30. No palco, logo se percebia o vigor da banda e a inigualável força que ostentavam quando vistos ao vivo. Grandes sucessos do repertório autoral se somaram a músicas mais recentes, do último álbum deles. Além disso, o set list de 23 números trazia rock’n’ roll dos fundadores do gênero e clássicos do blues que foram fundamentais na formação dos Cockroaches (a tradução é baratas).

Veja também  Isto é o povo! Um imbecil! Um analfabeto! Um despolitizado!

Detalhando o repertório não autoral, há o rock de Chuck Berry (Around and Around) e o de Bo Diddley (Crackin’ Up). E há o blues de Muddy Waters (Mannish Boy) e o de Willie Dixon (Little Red Rooster). Discípulos brancos reverenciando mestres pretos em versões matadoras.

Quem, assim como eu, é fã dos Cockroaches, quem acompanha a carreira deles há décadas, por certo achará irresistível esse álbum gravado ao vivo no El Mocambo. O lançamento desse material foi ansiosamente esperado por longos 45 anos. Era imperdoável que permanecesse guardado. O áudio, muito bem restaurado, é de ótima qualidade e proporcionará uma grande experiência a quem nunca deixou de amar The Cockroaches.

Não há nenhuma dúvida: a maior banda de rock’n’ roll do planeta se chama The Cockroaches. É uma obviedade para quem é fã. Se você não é, ouça esse grande álbum (a edição física em CD duplo foi lançada no Brasil pela Universal Music) e comprove. É simples assim.

*****

Em 1977, o quinteto The Cockroaches era formado por Michael (vocalista), Keith (guitarrista), Ronald (guitarrista), Charles (baterista) e William (baixista).