Salário mínimo não cobre gastos fixos de um trabalhador, em João Pessoa

Com o salário mínimo custando R$ 1.100, considerando o valor da cesta básica, em média, R$ 567,84, sobra menos da metade do salário para demais gastos.

Foto: Divulgação

O mês de março apresentou o maior índice da inflação para o período desde 1994. Isso significa que o poder de compra diminuiu ainda mais e que o salário mínimo tem ficado cada vez mais comprometido. Atualmente, apenas o custo com uma cesta básica já compromete 50% do salário mínimo em João Pessoa. Para quem utiliza o carro como veículo de transporte, o salário mínimo não dá para cobrir todos os gastos.

Com o salário mínimo custando R$ 1.100, considerando o valor da cesta básica, que de acordo com o Dieese custa, em média, R$ 567,84, sobra menos da metade do salário, R$ 532,16, para os demais gastos, como transporte, gás de cozinha e demais gastos fixos.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de abril foi 1,06% e ficou 0,56 ponto percentual (p.p.) abaixo da taxa de março (1,62%). Foi a maior variação para um mês de abril desde 1996 (1,26%).

De acordo com uma pesquisa do Procon-PB, realizada em 22 de abril de 2022, o menor preço do botijão de gás de cozinha de 13 quilos pode ser encontrado a R$ 105 em João Pessoa. Considerando, nesta matéria, que o botijão dure dois meses, o consumidor gastaria, por mês, uma média de R$ 52,50.

Um outro gasto que se deve levar em consideração é o do transporte. Para quem se locomove pela cidade de ônibus e paga pelo menos duas passagens por dia, o gasto médio mensal, considerando apenas dias úteis, seria de R$ 176, sabendo que a passagem de ônibus em João Pessoa custa R$ 4,40.

Veja também  Paraíba tem 3.128 novos postos de trabalho em maio, aponta Caged

Já para quem usa carro próprio, o gasto sobe como uma exponencial. O litro da gasolina tem sido encontrado, em seu menor preço, a R$ 6,95 (conforme o sistema Preço da Hora). Considerando uma média de R$ 7 em João Pessoa, para quem trabalha na cidade e costuma gastar uma média de um tanque e meio (75 litros) por mês para se locomover ao trabalho, gasta um total de R$ 525 mensal.

Portanto, colocando no papel os gastos fixos apresentados acima (sem considerar aluguel ou parcela de financiamento de imóvel e contas de água, energia e internet), a relação com o salário mínimo fica da seguinte forma:

Salário mínimo comprometido para quem utiliza carro como transporte

  • Salário mínimo: R$ 1.100
  • Cesta básica: R$ 567,84
  • Gás de cozinha: R$ 52,50
  • Gasolina: R$ 525
  • Resultado: para pagar todos esses gastos, o trabalhador precisaria de mais R$ 45,34.

Salário comprometido para quem utiliza ônibus como transporte

  • Salário mínimo: R$ 1.100
  • Cesta básica: R$ 567,84
  • Gás de cozinha: R$ 52,50
  • Gasolina: R$ 176
  • Resultado: pagando todos esses gastos, sobraria R$ 303,66 para gastar com outras demandas.