Carro mais barato: programa do governo vai impactar preços dos usados?

Programa pretende deixar o carro mais barato com a redução do preço de automóveis e de incentivo à renovação da frota de carros, caminhões e ônibus. Mas essa mudança nos preços pode atingir os carros usados?

Entenda programa que deve baratear o carro popular. Foto: Divulgação.

As medidas anunciadas pelo governo federal para reduzir o preço dos carros no Brasil tem efeito mais imediato nos carros populares. O programa pretende deixar o carro mais barato com a redução do preço de automóveis e de incentivo à renovação da frota de carros, caminhões e ônibus. Mas essa mudança nos preços pode atingir os carros usados?

O programa para baratear veículos novos de até R$ 120 mil podem trazer competitividade para o mercado e reduzir especialmente os preços dos carros seminovos (com até três anos de uso).

A Federação dos Vendedores de Veículos Usados (Fenauto) falou sobre o assunto. Para eles, há algumas questões na proposta que podem anular seus efeitos — tanto nos preços dos seminovos quanto dos usados (aqueles que têm mais de três anos).

A previsão é de um desconto patrocinado entre R$ 2 mil a R$ 8 mil, abatido diretamente do valor final do veículo; nos caminhões, de R$ 33,6 mil a R$ 80,3 mil; e nos ônibus, de R$ 38 mil a R$ 99,4 mil.

No total, o governo reservou R$ 1,5 bilhão para o programa.

O desconto máximo, de acordo com o vice-presidente e ministro da Indústria, Geraldo Alckmin, os critérios para definição dos valores levarão em conta a eficiência energética, o preço do bem e o conteúdo nacional dos componentes na fabricação.

Para saber quanto o comprador conseguirá abater do preço, é preciso somar uma quantidade mínima de pontos em cada um dos critérios estabelecidos pelo governo.

A tendência, conforme especialistas, que haja um efeito dominó, atingindo os seminovos e os usados, por uma consequência natural: se o preço do carro novo diminui, há uma pressão sobre os usados que faz com que os preços também caiam.

Carro mais barato a partir de quando?

A percepção é de que o barateamento dos usados e seminovos ocorra a partir do entendimento geral do mercado sobre essa medida. Quando os preços dos novos atingirem o mercado,

Para Saint Clair, os reflexos nos preços dos seminovos e usados podem ser rápidos desde que haja um entendimento geral do mercado sobre a medida. A partir dessa compreensão, diz, os preços dos veículos novos devem começar a fazer efeito — afetando, aí sim, todo o mercado.

Ele pondera ainda que pode haver receio entre compradores e vendedores por se tratar de uma medida temporária.

Qual será o desconto para carro popular novo?

  • No novo desenho do governo, não haverá isenção de tributos aos fabricantes de veículos.
  • O que vai ocorrer é a concessão de crédito tributário às empresas do setor para viabilizar a redução do preço.
  • A previsão é de um desconto patrocinado entre R$ 2 mil a R$ 8 mil, abatido diretamente do valor final do veículo; nos caminhões, de R$ 33,6 mil a R$ 80,3 mil; e nos ônibus, de R$ 38 mil a R$ 99,4 mil.

Como o desconto será definido?

  • Os critérios para definição dos valores levarão em conta a eficiência energética, o preço do bem e o conteúdo nacional dos componentes na fabricação.
  • Cerca de R$ 1 bilhão será destinado ao subsídio para a compra de caminhões e ônibus mais ecológicos, do padrão conhecido como Euro 6.
  • Os R$ 500 milhões restantes vão para os descontos em carros.
  • A ideia é promover a troca de caminhões e ônibus antigos, alguns com mais de 30 anos de circulação e muito poluentes, substituindo-os por modelos mais eficientes. Alguns países na Europa já adotam sistema semelhante.

Como saber qual será o valor do carro?

  • Para saber quanto o comprador conseguirá abater do preço, é preciso somar uma quantidade mínima de pontos em cada um dos critérios estabelecidos pelo governo.
  • Para que um carro receba o desconto máximo, de R$ 8 mil, por exemplo, é necessário chegar a, pelo menos, 90 pontos.
carro popular pontos programa
Divisão dos pontos por critério foi divulgado no Diário Oficial da União. Foto: Reprodução/DOU

*Com g1