Inflação: preços sobem 0,36% em março, influenciados por alimentos

Maior influência para inflação foi do grupo de alimentação e bebidas, com alta de 0,91% no mês e impacto de 0,19 ponto percentual no índice geral. A alta no preço dos alimentos vem seguindo uma frequência.

Foto: Divulgação

A prévia da inflação oficial do país, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), registrou uma alta de 0,36% nos preços em março, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A maior influência foi do grupo de alimentação e bebidas, com alta de 0,91% no mês e impacto de 0,19 ponto percentual no índice geral. A alta no preço dos alimentos vem seguindo uma frequência.

Ainda assim, o índice teve desaceleração de 0,42 pontos percentuais na comparação com o mês anterior, quando teve alta de 0,78% para fevereiro. Em março de 2023, o IPCA-15 foi de 0,69%.

Com os resultados, o IPCA-15 acumulou 4,14% na janela de 12 meses.

Apenas cinco dos nove grupos pesquisados pelo IBGE tiveram alta de preços em março. Além dos alimentos, o grupo transportes também teve alta relevante, de 0,43% no mês e 0,09 p.p. de participação no índice geral.

Variação dos grupos em março na inflação

  • Alimentação e bebidas: 0,91%;
  • Habitação: 0,19%;
  • Artigos de residência: -0,58%;
  • Vestuário: -0,22%;
  • Transportes: 0,43%;
  • Saúde e cuidados pessoais: 0,61%;
  • Despesas pessoais: -0,07%;
  • Educação: 0,14%;
  • Comunicação: -0,04%.
  • Alimentos seguem em alta

O grupo alimentação e bebidas segue incomodando e impactando a inflação.

A pressão vem dos preços do subgrupo alimentação no domicílio, que reúne basicamente os alimentos in natura. Houve alta de 1,04% em março — depois de 1,16% em fevereiro.

Subiram bastante os preços da cebola (16,64%), do ovo de galinha (6,24%), das frutas (5,81%) e do leite longa vida (3,66%). A batata-inglesa (-9,87%), a cenoura (-6,10%) e o óleo de soja (-3,19%) tiveram queda.

A alimentação fora do domicílio continua em alta mais moderada, de 0,59% no mês contra 0,48% de fevereiro. A refeição teve alta mais intensa, de 0,76% em março, enquanto o lanche subiu 0,19%.

No grupo transportes, os combustíveis voltaram a subir 2,41% no mês. A gasolina foi o destaque, com alta de 2,39% no mês e maior peso individual no IPCA-15, em 0,12 p.p.

O etanol também subiu 4,27%, enquanto o gás veicular (-2,07%) e o óleo diesel (-0,15%) tiveram quedas. Já as passagens aéreas tiveram nova deflação em março, redução de 9,08% que trouxe o maior impacto negativo no mês (-0,07p.p.).