Ranielle Ribeiro comemora acesso do Campinense e já traça nova meta: “Queremos o título”

Em coletiva após a partida, o técnico raposeiro rasgou elogios a seus atletas, exaltou adversário e afirmou que, apesar do acesso, clube ainda tem metas a serem batidas

(Foto: Samy Oliveira / Campinense)

Centésimo jogo do Campinense na Série D do Campeonato Brasileiro, jogo do acesso no Estádio Amigão e reencontro com a torcida após 19 meses. Tudo parecia conspirar a favor da Raposa e, consequentemente, da quebra de um indigesto tabu de uma década. E foi exatamente isso que aconteceu. Apesar de suado, nos pênaltis e, novamente, graças a Mauro Iguatu, o Rubro-Negro de Campina Grande passou pelo América-RN e está de volta à Série C . Após a partida, em entrevista coletiva, o técnico do clube, Ranielle Ribeiro, avaliou o confronto, rasgou elogios a seus atletas e afirmou que a meta agora está na conquista do inédito título da 4ª divisão nacional.

Foram nove longas temporadas de uma árdua e incessante luta pelo retorno à 3ª divisão. Rebaixado em 2011 em meio a uma grande polêmica em torno de uma suposta compra de resultados envolvendo Fortaleza e CRB, o torcedor raposeiro sabia que a última divisão do futebol nacional não era o seu lugar. No entanto, desde 2012 que a Série D foi o habitat da Raposa de Campina Grande, que por duas vezes neste período chegou consideravelmente perto do retorno à Terceirona, mas acabou ficando pelo caminho.

Ranielle Ribeiro, Mauro Iguatu
(Foto: Samy Oliveira / Campinense)

— Agora vamos permitir que os nossos atletas comemorem um pouco. Esse foi um dos objetivos traçados para a temporada que conquistamos, talvez o principal deles, mas ainda tem campeonato pela frente. Hoje nossos jogadores estão na prateleira de campeões paraibanos, conquistaram um acesso, mas, ainda temos um campeonato a se disputar. Nosso grupo é vitorioso, está sempre em busca de conquistas, e a nossa meta agora é o título da Série D — finalizou.

Veja também  Pedal Cooperativo: Campina Grande sedia evento solidário

Engana-se, no entanto, quem pensa que o objetivo foi conquistado com tranquilidade. Muito pelo contrário. Do outro lado estava um América de Natal em condições muito semelhantes a do adversário paraibano e necessitando do acesso para garantir, com suas próprias forças, calendário para o segundo semestre de 2022. A qualidade da equipe potiguar foi um ponto destacado pelo técnico Ranielle Ribeiro, algo que, de acordo com ele, apenas serviu para valorizar ainda mais a conquista raposeira.

— Não podemos, em hipótese nenhuma, diminuir a qualidade do América-RN. Eles no início do segundo tempo tiveram aquela bola na trave do Esquerdinha, e, para ser sincero, a qualidade do América só valorizou ainda mais a nossa conquista. Eu busco entrar na pele dos jogadores. Foi um jogo muito emocional. Quando tivemos o controle do jogo e não conseguimos fazer o gol, aquilo gerou um certo desequilíbrio e ficou uma partida muito aberta, de muito respeito também, principalmente a nível de segundo tempo, mas, felizmente, conseguimos alcançar o nosso objetivo. Esse grupo é merecedor de todos os elogios e de todos os méritos desta conquista — avaliou.