Entre Linhas

Treze surpreende e Botafogo-PB decepciona na Copa do Nordeste, até aqui

Galo está invicto e dentro do G-4 do seu grupo. Belo só empatou e figura fora da zona de classificação na sua chave

 

Por Pedro Alves

Foto: Thiago Gadelha

Botafogo-PB e Treze terminaram nesse sábado sua série de três primeiros jogos pela Copa do Nordeste. É tudo muito cedo, fato. Mas é também fato que o Galo começou melhor a competição do que o rival.

 

Enquanto o time de Campina Grande fez dois jogos fora e um em casa, o clube pessoense fez o roteiro inverso, com duas partidas em seus domínios e uma fora. Para além da ausência da torcida, que faz o fator casa ser um pouco menos fatal, é inegável que atuar em sua residência continua sendo menos complicado do que jogar fora, enfrentando viagens. 

 

E nesses roteiros distintos, em tese, pior para o Treze, o Galo foi melhor. Tem 5 pontos no torneio, está no G-4 do Grupo A e vai mostrando que consegue competir nos jogos. 

 

O Botafogo-PB não está distante e nem demonstra grande diferença na atuação, se compararmos com o seu rival de estado. Mas pontuou menos. E desperdiçou jogos acessíveis dentro do Almeidão. Tropeços. E ponto. Empatou com o 4 de Julho-PI e com o Sampaio Corrêa. Jogos que detinha a obrigação de vencer. E não cumpriu.

 

Curiosamente, fez seu melhor jogo contra o Bahia, onde foi superior ao adversário, teve tudo para vencer, mas aí vieram os traumáticos acréscimos e, com eles, o cada vez mais comum “gol deles”. De todo modo, nesse duelo, a conta lógica nem registrava pontos. O ponto conquistado em Salvador foi até aqui o mais importante. Mas que se torna pequeno diante de vacilos em casa. O Belo segue invicto, com três empates e três pontos. Invencibilidade que não funciona muito por ora. Diferente da do Treze. 

 

Botafogo-PB 1×1 Sampaio Corrêa

 

Foto: Fábio Hermano

O Botafogo-PB mais uma vez não foi bem. Jogando dentro de casa, viu o Sampaio Corrêa se impor no primeiro tempo. Com Rafael Oliveira machucado – quem diria? -, Marcelo Vilar resolveu inovar. Não o substituiu por Ramon Tanque e atuou com jogadores leves na frente. Roniel e Welton continuaram no time titular e se revezavam na referência.

 

O time ficou até mais rápido, afinal era o objetivo. Mas foi incoerente, digamos assim, em campo. Se percebe que a equipe tem boa força ofensiva pelas alas e laterais que cruzam bem. E o time recorreu algumas vezes a isso, mas sem ter um jogador de força e grande na área. Jogar assim só serve com o velho camisa 9, que o time não teve na maior parte do jogo. 

 

De todo modo, o time criou boas chances. Se aproveita melhor poderia até vencer o confronto. Mas o Sampaio Corrêa criou mais e jogou mais à vontade. Foi o melhor time em campo no Almeidão. 

 

Ficha técnica:

Botafogo-PB 1 x 1 Sampaio Corrêa – Estádio Almeidão (3ª rodada da Copa do Nordeste 2021)

Arbitragem: Leonilson Fernandes Trigueiro Filho (RN); George Ítalo Antas Nogueira (RN) e Reinaldo de Souza Moura (RN)

Gols: Welton Felipe (B); André Luiz (S)

Cartões amarelos: Rodrigo Ramos (B); Ferreira e Roni (S)

Botafogo-PB: Felipe, Rodrigo Ramos, Samuel, Willian Machado, Tsunami; Rogério, Pablo (Lagoa), Juninho (Lucas Gabriel), Marcos Aurélio (Ramon Tanque); Welton Felipe (Kaio Wilker) e Roniel (Cesinha). Técnico: Marcelo Vilar.

Sampaio Corrêa: Mota, Roni, Allan Godoi, Paulo Sérgio (Lucão), Marlon (Erick Daltro); André Luiz, Ferreira, Dione (Eloir), Matheus Cassini (Guilherme Texeira); Dudu (Gabriel Vasconcelos) e Jefinho. Técnico: Rafael Guanaes.

Fortaleza 1×1 Treze

 

O Treze, enfim, atuou bem na Copa do Nordeste. O empate com o CSA e a vitória sobre o Altos-PI teve muito mais a ver com sorte – e grande atuação do goleiro Jeferson – do que com imposição de jogo e produção ofensiva. Contra o Fortaleza não, o Galo, de fato, jogou bem.

 

Foi superior ao adversário? Não! Mas competiu bem o jogo, contra o um dos candidatos ao título regional. Um Fortaleza de Série A, é bom lembrar. A partida é daquelas que o torcedor do Treze pode falar: “Se conseguir ser regular, atuar dessa maneira, posso me convencer que Marcelinho é treinador”. É por aí. 

 

O Treze soube se defender, fechar espaços, mas não abdicou de sair para o jogo e atacar. Criou boas chances. Menos do que o Fortaleza. Mas boas chances. Algumas bem claras. E bem mais na primeira etapa. Na segunda, o Galo pareceu aquele que não consegue reagir. Mas, acontece. No geral, o jogo gera otimismo. 

 

Ficha técnica:

Fortaleza 1 x 1 Treze – Arena Castelão (3ª rodada da Copa do Nordeste 2021)

Arbitragem: Emerson Ricardo de Almeida Andrade (BA); Marcos Welb Rocha de Amorim (BA) e Ledes José Coutinho (BA)

Gols: Wellington Paulista (F); Jairinho (T)

Cartões amarelos: Wanderson e Éderson (F); Emerson, Régis Potiguar, Bruce, Darlan e Júlio Ferrari (T)

Fortaleza: Felipe Alves, Vitor Ricardo (Juninho), Wanderson, João Paulo, Bruno Melo (Carlinhos); Éderson, Jussa, Lucas Crispim (Luiz Henrique); Romarinho (Robson), Osvaldo (David) e Wellington Paulista. Técnico: Luís Fernando Flores.

Treze: Jeferson, Paulinho, Rômulo, Marlon, Emerson; Darlan (Rogerinho), Régis Potiguar, Romeu, Birungueta (Júlio Ferrari), Kleiton Domingues (Ancelmo); Jairinho (Bruce). Técnico: Marcelinho Paraíba.