Entre Linhas

Jogadores do Treze ameaçam não treinar por conta de salários atrasados

Atividade da quarta-feira só aconteceu após uma conversa dos jogadores com o técnico Welington Fajardo.

Daniel Gomes

No Treze o clima não é dos melhores. O treino da tarde da última quarta-feira, no Estádio Presidente Vargas, quase não aconteceu, por conta de uma paralisação dos jogadores, que reivindicavam o pagamento de salários atrasados. O grupo só aceitou iniciar as atividades após uma conversa com o técnico Welington Fajardo.

Já não bastasse a eliminação da Série D, ainda na primeira fase e com uma rodada de antecedência, a bronca agora é em relação aos salários dos jogadores, que, segundo informações apuradas pelo Entre Linhas com pessoas ligadas ao clube, estão atrasados há dois meses. O grupo se negou a treinar na tarde dessa quarta-feira, sob a condição de iniciar os trabalhos só após o pagamento dessas pendências. O técnico Welington Fajardo, tentando amenizar a situação, conversou com o elenco, que no fim decidiu treinar. A diretoria não se pronunciou sobre o ocorrido.

Foto: Cassiano Cavalcanti / Treze FC

Essa não é a primeira vez nesta temporada que os jogadores trezeanos paralisam as atividades por conta do atraso de salários. Em março, o grupo passou por uma situação semelhante, às vésperas da partida da Copa do Brasil, contra o América-MG. Na ocasião, após uma reunião entre atletas e diretoria, um acordo foi feito para que o pagamento fosse feito ainda naquela semana.

O Treze tem mais uma partida pela Série D, no próximo domingo, contra o ABC, às 15h, no Estádio Frasqueirão. Será a despedida do Galo na competição, apenas cumprindo tabela. Depois disso, o time tem um intervalo de mais de um mês até o próximo desafio, que é pela pré-Copa do Nordeste, contra o Floresta-CE, no dia 13 ou 14 de outubro.