Entre Linhas

Novo decreto da Timemania: entenda as mudanças na loteria esportiva do Brasil

Inserção do Campinense, campeão da Copa do Nordeste em 2013, é uma das novidades; após 14 anos, Treze vive incerteza entre permanecer ou ser excluído.

(Foto: Lucas Santos/DCI)
Timemania
Novo decreto da Timemania: entenda as mudanças na loteria esportiva do Brasil (Foto: Lucas Santos/DCI)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) assinou na última semana o decreto que provoca mudanças nos critérios de seleção dos clubes da Timemania. A justificativa para promover as alterações foi de que o atual modelo (que vigora há 14 anos) é “completamente ultrapassado”.

Criado pelo Governo Lula em 2007, o programa de loteria esportiva há anos funciona como uma espécie de “luz no fim do túnel” para o pagamento de dívidas e manutenção financeira de muitos clubes do futebol brasileiro.

Na Paraíba, dois cenários completamente diferentes. De um lado, está o Campinense, campeão da Copa do Nordeste em 2013 e que agora passará a receber os recursos federais da loteria.

Do outro, o Treze. Participante da Timemania desde a fundação do jogo de azar, vive uma incerteza entre permanecer ou ser excluído, por causa dos critérios estabelecidos.

Ainda diante de muitas especulações sobre a “nova Timemania”, o Entre Linhas fez um levantamento com as mudanças estabelecidas pelo decreto presidencial. Além disso, o blog também apresenta duas projeções, em relação à participação dos clubes na loteria.

Mudanças na Timemania

As alterações feitas pelo Governo Federal no Decreto 6.187, de 14 de agosto de 2007, foram apenas no Art. 5º do documento, que estabelece os requisitos para os clubes terem direito à participação na loteria esportiva.

A redação anterior “congelava” o dinamismo latente do futebol brasileiro, já que determinava que estariam qualificados a receber os recursos do Governo Federal os clubes que disputassem as séries A e B de 2007.

Jair Bolsonaro justificou a mudança, alegando que o modelo vigente era ultrapassado (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Com o novo texto, poderão receber todos os “times de futebol profissional qualificados para participar do Campeonato Brasileiro no biênio anterior” das séries A e B.

Outra mudança importante é o reconhecimento aos maiores campeões de cada estado. Isso já existia no decreto original, porém parou no tempo, já que se referia aos maiores detentores de títulos, mas conquistados até 2006.

Projeções para a “Nova Timemania”

O clube, para ter direito ao dinheiro da Timemania, precisa ter disputado o seu respectivo campeonato estadual no biênio anterior ao recebimento do recurso, em uma das duas divisões principais da referida competição.

Com base nos critérios definidos pelo Governo Federal, o Entre Linhas fez uma simulação dos 80 clubes que teriam direito a receber os recursos financeiros. Como a lista oficial ainda não foi divulgada pelo Ministério da Cidadania, a lista abaixo foi feita por profissionais do Jornal da Paraíba.

Critério 1 (participantes da Série A no biênio 2020-2021): Athletico, Atlético-GO, Atlético-MG, Bahia, Botafogo-RJ, Bragantino, Ceará, Corinthians, Coritiba, Flamengo, Fluminense, Fortaleza, Goiás, Grêmio, Internacional, Palmeiras, Santos, São Paulo, Sport e Vasco;

Critério 2 (participantes da Série B no biênio 2020-2021): América-MG, Avaí, Brasil de Pelotas, Chapecoense, Confiança, CRB, Cruzeiro, CSA, Cuiabá, Guarani, Juventude, Náutico, Operário-PR, Ponte Preta, Sampaio Corrêa e Vitória;

Critério 3 – Parte 1 (maiores campeões estaduais que não foram incluídos acima): ABC, Botafogo-PB, Gama, Ji-Paraná, Mixto, Nacional-AM, Operário-MS, Palmas, Paysandu, Rio Branco-AC, Rio Branco-ES, River-PI, São Raimundo-RR, Sergipe e Ypiranga-AP;

Veja também  Treze vai para a 4ª temporada no século sem disputar o Brasileiro; confira o ranking dos paraibanos

Critério 3 – Parte 2 (antigos campeões nacionais das Séries A, B, C, Copa do Brasil e Taça Brasil): Boa Esporte, Brasiliense, Criciúma, Inter de Limeira, Ituano, Joinville, Juventus-SP, Macaé, Oeste, Paraná, Portuguesa, Santa Cruz, Tuna Luso, Uberlândia-MG, Villa Nova-MG e XV de Piracicaba;

Critério 3 – Parte 3 (antigos campeões regionais): América-RN, Campinense, Santo André e São Raimundo-AM;

Critério 3 – Parte 4 (clubes com mais participações na Série A): Americano, América-RJ, Bangu, Desportiva-ES, Figueirense, Flamengo-PI, Moto Club, São Caetano e Treze.

O Treze sairá da Timemania?

O site carioca Contra Ataque também fez uma projeção, onde exclui o Treze da lista de times beneficiados pela Timemania. A publicação aponta que 11 clubes deixarão o grupo que atualmente recebe os recursos da loteria federal: Americano, Bangu, Grêmio Barueri, Ipatinga, Marília, Moto Club, Paulista, São Caetano, Treze, União Barbarense e União São João.

Nas vagas desses entrariam: Boa Esporte, Botafogo-SP, Brasil de Pelotas, Brusque, Campinense, Chapecoense, Confiança, Cuiabá, Macaé, Oeste e Operário-PR.

O Galo da Borborema está no grupo dos 20 clubes que mais possuem apostadores. Em 2020, inclusive, chegou a ser o segundo time do Brasil em número de apostas. Na semana passada, a diretoria do Treze teve as contas referentes ao ano passado aprovadas. Nelas, foi apontado que o time recebeu aproximadamente R$ 60 mil por mês, mas o problema é que dos 12 meses, o Treze só recebeu três.

Confira a projeção da “Nova Timemania” feita pelo site Contra Ataque:

Critério 1 (participantes da Série A no biênio 2020-2021): América-MG, Athletico, Atlético-GO, Atlético-MG, Bahia, Botafogo-RJ, Bragantino, Ceará, Chapecoense, Corinthians, Coritiba, Cuiabá, Flamengo, Fluminense, Fortaleza, Goiás, Grêmio, Internacional, Juventude, Palmeiras, Santos, São Paulo, Sport e Vasco;

Critério 2 (participantes da Série B no biênio 2020-2021): Avaí, Botafogo-SP, Brasil de Pelotas, Brusque, Confiança, CRB, Cruzeiro, CSA, Figueirense, Guarani, Londrina, Náutico, Oeste, Operário-PR, Paraná, Ponte Preta, Remo, Sampaio Corrêa, Vila Nova e Vitória;

Critério 3 – Parte 1 (maiores campeões estaduais que não foram incluídos acima): Rio Branco-AC, Nacional-AM, Macapá ou Ypiranga-AP*, Gama, Rio Branco-ES, Mixto, Operário-MS, Paysandu, Botafogo-PB, River, ABC, Ji-Paraná, Atlético de Roraima ou São Raimundo-RR*, Sergipe e Palmas;

Critério 3 – Parte 2 (antigos campeões nacionais das Séries A, B, C, Copa do Brasil e Taça Brasil): Criciúma, Portuguesa, Villa Nova-MG, Joinville, Campo Grande**, Juventus-SP, Uberlândia, Tuna Luso, Internacional de Limeira, União São João**, Brasiliense, Boa Esporte, Olaria, XV de Piracicaba, Paulista**, Ituano, União Barbarense**, Santa Cruz, Macaé e Santo André;

Critério 3 – Parte 3 (antigos campeões regionais): Campinense (campeão da Copa do Nordeste), América-RN (campeão da Copa do Nordeste) e São Raimundo-AM (tricampeão da Copa Norte)

Critério 3 – Parte 4 (clubes com mais participações na Série A): América-RJ (disputou por 17 vezes) e Desportiva (12 vezes)

*O texto dos decretos da Timemania não deixa claro se há uma distinção entre a contagem de títulos histórica ou a contagem da era profissional, o que gera dúvidas sobre qual equipe deve fazer parte do volante da Timemania a partir de 2022.

**Clubes que não estiveram em uma das duas principais divisões de seu estado no biênio 2020-2021 e por isso, segundo o decreto, não estão elegíveis para fazer parte da Timemania.