Depoimentos de familiares e amigos detalham rotina do casal

Depoimentos dos familiares e amigos do casal mostraram uma rotina tranquila, sem casos anteriores de agressão.

As investigações apontam que o crime teria sido provocado pela insatisfação do suspeito Gilberto Lyra Stuckert Neto, com o rompimento do relacionamento que mantinha com a professora universitária Briggida Rosely de Azevedo Lourenço há oito anos.

Os depoimentos dos familiares e amigos do casal mostraram uma rotina tranquila, sem casos anteriores de agressão. “Eles mantinham um relacionamento tranquilo. A relação dele com a família da vítima era boa. O rompimento aconteceu há um mês e atualmente ele era funcionário público em Brasília e teria retornado a João Pessoa para tentar uma reconciliação,” concluiu.

Luciana Cosmo era colega de trabalho da vítima e afirmou ainda estar em choque com a notícia da morte de Briggida Lourenço.

Veja também  Procon-JP vai fiscalizar queda no preço da gasolina após redução do ICMS

“Ela era tão feliz, linda e muito meiga. A comoção foi total entre alunos, professores e funcionários da UEPB. Foi um choque muito grande,” disse Luciana Cosmo. A vítima era professora de Arquivologia na UEPB e deixou uma filha de 11 anos, de um antigo relacionamento.

Já a mãe da vítima revelou ainda não acreditar que a filha havia sido assassinada. “Eu só queria que ela voltasse pra mim. Não acredito que isso aconteceu com a minha filha, tão linda, tão calma”, lamentou Roselma Azevedo. A professora foi sepultada no final da tarde de ontem.