Número de mortes por Covid-19 na Paraíba até maio de 2021 é maior do que em todo 2020

São 3.698 mortes neste ano e 3.672 no ano passado.

(Foto: Francisco França/Arquivo JP)
Número de mortes por Covid-19 na Paraíba até maio de 2021 é maior do que em todo ano passado / Foto: Jornal da Paraíba

O medo e a sensação de viver sob a incerteza chegaram junto com a pandemia de Covid-19. Depois de mais um ano, esses dois sentimentos passaram dividir espaço com esperança que veio com a vacina, mas também com a dor do luto. Isso, porque a Paraíba notificou até o dia 7.370 de maio de 2021 mais mortes provocadas pela doença do que em todo 2020.

TCE detecta 341 mortos e 8.973 com CPF inexistente na lista de vacinados

Apenas nos primeiros cinco meses deste ano, foram registrados 3.698 óbitos, enquanto no ano passado foram 3.672. No total, são 7.370 óbitos.

Como o primeiro óbito causado pela doença foi registrado no último dia de março do ano passado, todas as mortes de 2020 aconteceram no período de nove meses.

Levando em consideração a quantidade de meses entre um ano e outro, nove em 2020 e cinco em 2021, os óbitos neste ano levaram cerca de metade do tempo do ano passado para acontecer.

Cemitério em João Pessoa / Foto: TV Cabo Branco

Somente em março de 2021, considerado o mês mais letal desde o começo da pandemia, foram 1.218 mortes de pessoas infectadas pelo novo coronavírus.

Ainda em março deste ano, o número de novos óbitos subiu, chegando a 70 vidas interrompidas apenas em um dia.

Ao passo em que os índices negativos sobem, o ritmo da vacinação contra a Covid-19 é lento e a campanha de imunização enfrenta problemas.

Homens morreram mais por Covid-19 do que mulheres

Na Paraíba, a Covid-19 é quase 10% mais letal em homens do que em mulheres. Até esta sexta, 4.055 pessoas do sexo masculino morreram, enquanto os óbitos do sexo feminino foram 3.315.

As comorbidades mais frequentes entre as pessoas que morreram após serem infectadas pelo novo coronavírus são hipertensão, cardiopatia e diabetes, como mostra a tabela abaixo:

Veja também  DJ Ivis grava primeiro clipe após sair da prisão por agressão à ex-mulher

Doenças Percentual
Hipertensão 23.53%
Cardiopatia 22.24%
Diabetes Mellitus 21.46%
Obesidade 9.45%
Outras 6.11%
Doença Respiratória 4.18%
Doença Neurológica 3.36%
Tabagismo 2.84%
Doença Renal 2.65%
Neoplasia 1.39%
Etilismo 0.99%
Imunossupressão 0.97%
Doença Hematológica 0.40%
Doença Hepática 0.30%
Transtorno mental 0.10%
Doença do Aparelho Digestivo 0.02%

Já a faixa etária com mais registros de mortes é a que compreende idosos a partir dos 80 anos de idade, com 1.932 óbitos; seguida pela de 70 a 79 anos , com 1.725; e pela de 60 a 69 anos, com 1.519.

Problemas na campanha de vacinação

A vacinação contra a Covid-19 na Paraíba teve início no último dia 19 de janeiro. Ao decorrer da campanha, foram registrados problemas como falta de organização e aglomeração, principalmente nas ações de vacinação dos idosos.

Os idosos também tiveram a aplicação da segunda dose do imunizante atrasada. Foi preciso uma decisão judicial para que o Ministério da Saúde enviasse novas vacinas para normalizar a campanha.

Mesmo com a medida, o ciclo de imunização de alguns grupos segue sendo realizado com atraso em cidades como Campina Grande.

Relatório aponta CPFs de mais de 340 mortos na lista de vacinação

De acordo com um relatório do Tribunal de Contas do Estado (TCE),  8.973 doses de vacinas contra a Covid-19 aplicadas na Paraíba equivalem a CPFs inexistentes e 341 doses são de pessoas mortas.

Os dados foram cruzados com informações de diversas bases de dados, como a do Sistema Nacional de Óbitos.

Na porcentagem calculada a partir do total de 654.032 de vacinas aplicadas até 12 de abril, 78.417 doses foram aplicadas de maneira errada, uma inconsistência de 11,98%. O TCE não divulgou os municípios onde as irregularidades foram encontradas.

Ainda segundo o relatório do TCE, pelo menos 19 pessoas com menos de 18 anos foram vacinadas contra a Covid-19 na Paraíba. Conforme o documento, existem registros de imunização contra a doença em crianças de 2 e 6 anos.