Professor da UFPB tem mandato renovado como membro de tribunal do Mercosul

Marcílio Franca já atuou como funcionário da ONU e atua no Mercosul desde 2016.

O professor paraibano Marcílio Franca vai seguir por pelo menos mais dois anos como membro do Tribunal Permanente de Revisão do Mercosul, o órgão responsável por dirimir litígios e solucionar controvérsias entre os países membros do bloco – Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. O mandato do professor da Faculdade de Direito da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) foi renovado até 28 de julho de 2023 e ele já está no cargo desde 2016.

Entre as atribuições dos integrantes do Tribunal, quem tem sede em Assunção, no Paraguai, estão a condução política do processo de integração e a tomada de decisões para assegurar o cumprimento dos objetivos estabelecidos pelo Tratado de Assunção.

Marcílio tem um respeitável currículo, que inclui um pós-doutorado em Florença, períodos como professor visitante em Turim e livros publicados no Brasil e no exterior. No Tribunal, ele exercerá a função de juiz suplente da Corte, ao lado da também professora Nádia de Araújo, da PUC-Rio, a outra personalidade jurídica brasileira nomeada para o Tribunal, que foi nomeada como titular.

Sobre a renovação de mandato, o professor enfatiza que está “consciente da grande responsabilidade que é servir ao Mercosul e ao Tribunal”. Comentou também sobre sua expectativa de “honrar as melhores tradições, tendo como modelo e inspiração a conduta séria, independente e competente do paraibano Epitácio Pessoa, cuja atuação como juiz internacional deve ser sempre lembrada”.

Veja também  Moradores de áreas de Campina Grande reclamam que falta água há quatro dias

Quando foi criado há trinta anos, em 26 de março de 1991 – a partir da assinatura do Tratado de Assunção –, o Mercosul previa apenas para solução de controvérsias, num sistema simplificado caracterizado basicamente por negociações intergovernamentais diretas. Posteriormente, o sistema foi aperfeiçoado, com a criação de um tribunal permanente.

Fruto do ‘Protocolo de Olivos’, assinado em 18 de fevereiro de 2002, o Tribunal Permanente de Revisão do Mercosul começou a funcionar quase dois anos depois, em 13 de agosto de 2004, já como um órgão destinado a garantir a correta interpretação, aplicação e cumprimento dos instrumentos fundamentais do processo de integração dos países membros.

É para esse foro de debates e decisões que o professor Marcílio Franca levará sua experiência jurídica como ex-funcionário da ONU, como mestre em Direito pela Universidade Federal da Paraíba, como doutor pela Universidade de Coimbra (Portugal) e como pós-doutor em Direito pelo Instituto Universitário Europeu de Florença (Itália).

Atualmente, ele é professor do Departamento de Direito Público da UFPB e do Programa Pós-Graduação em Ciências Jurídicas da UFPB. Também atua como árbitro no sistema de solução de controvérsias internacionais da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI).