Homem mais alto do Brasil, Ninão tem alta médica após amputar perna

Cirurgia foi necessária porque o paraibano tinha osteomielite, doença infecciosa nos ossos.

Ninão se recupera de cirurgia para amputar perna. Foto: Reprodução/TV Paraíba.

Considerado o homem mais alto do Brasil, Joelison Fernandes da Silva, que mede 2,37 metros, recebeu alta médica nesta sexta-feira (10), após amputar a perna direita. A cirurgia foi realizada na noite da terça-feira (7) no Hospital Antônio Targino, em Campina Grande.

Antes de sair da unidade hospitalar, ele lembrou do que sentiu quando optou pela amputação.
“Foi uma decisão complicada e difícil, porém era necessário. Isso é muito gratificante”, desabafou.

O procedimento foi necessário porque Ninão tinha osteomielite, uma doença infecciosa que atinge os ossos, em estado avançado. A infecção foi diagnosticada há cerca de quatro anos, mas os sintomas surgiram há aproximadamente uma década.

cirurgia representa alívio para Ninão, que vai deixar de sentir dores e terá as complicações de saúde reduzidas.

Após amputar perna, Ninão colocará prótese

Para voltar a andar e realizar outras atividades como trabalhar, Ninão vai precisar de uma prótese. De acordo com ele, um morador de João Pessoa doou o equipamento.

Depois da alta, Ninão deve voltar para a cidade de Assunção, no Cariri da Paraíba, onde mora com a família. Após o processo de cicatrização, ele deve iniciar a fisioterapia e a previsão é que o processo de implantação da prótese comece em pelo menos 60 dias. “Tudo nele a gente que ter um pouco mais de cuidado. Vai demorar um pouco mais, mas ele vai voltar a andar”, declarou o cirurgião.

Veja também  Violência doméstica contra crianças e adolescentes cresce 41,2% em um ano, na Paraíba

Os recursos, arrecadados em uma campanha realizada pela internet, serão utilizados por ele nos cuidados pós-cirúrgicos.

“Quero agradecer mais uma vez a todos que abraçaram essa causa pra tentar me ajudar de alguma forma. Minha palavra de hoje, pra todos vocês, é de muita gratidão”.

Desde que se locomove em uma cadeira de rodas, ele não consegue trabalhar, e lamenta pelas oportunidades perdidas. Antes da infecção, ele costumava fazer comerciais e era convidado para participar de eventos pelo país inteiro.

Atualmente, o paraibano mora com a esposa. A renda do casal corresponde a um salário mínimo, da aposentadoria que ele recebe desde 2012, e de alguns trabalhos de decoração que a companheira dele faz. As doações dos amigos também têm auxiliado.