Ex de Ale Oliveira, Luana Targino, diz que foi agredida pelo influenciador: “comecei a perceber que a culpa não foi minha”

Luana Targino conversou com o JORNAL DA PARAÍBA e deu detalhes do relacionamento com o paraibano.

Foto: Reprodução/Instagram

O influenciador paraibano Ale Oliveira foi parar nos trending topics do Twitter e em perfis de fofoca, nesta quarta-feira (12). Isso porque a ex-namorada dele, Luana Targino, expôs durante uma live na madrugada da quarta que foi traída e agredida. Ainda na quarta, ela conversou com o JORNAL DA PARAÍBA e deu mais detalhes sobre o namoro.

Segundo a influenciadora pernambucana, ela passou por agressões psicológicas, verbais e físicas, incluindo empurrões e puxões de cabelo. Além disso, relatou também o motivo de não ter denunciado. Nesta quinta-feira (13),  foi solicitada uma resposta da equipe do influenciador, por meio do número de telefone que está no perfil dele, mas até o momento da publicação desta notícia não teve resposta.

Luana Targino conta que a primeira agressão aconteceu no final de 2020, após eles terem reatado o namoro. Segundo a influenciadora, o paraibano queria saber se ela tinha ficado com outra pessoa durante o tempo que estiveram separados e pediu para ver o celular da mulher. Ao negar o pedido, Luana diz que foi empurrada e teve o cabelo puxado.

“A primeira agressão foi quando a gente voltou o namoro em 2020. Ele queria saber se eu tinha ficado com alguém e como eu não desbloqueei meu celular, foi super grosso comigo, puxou meu cabelo, me empurrou”, relatou.

A influenciadora disse que na época Ale Oliveira teria pedido desculpas e afirmado que estava com ansiedade, por isso ela perdoou. As situações conturbadas, no entanto, continuaram, muitas vezes motivadas por ciúmes e suspeitas de traição. Luana Targino diz que nunca chegou a denunciar e na época não expôs por respeito à família do paraibano.

Na época eu perdoei porque ele disse que estava nervoso, que estava ansioso. Em outros momentos, ele continuou dizendo que era ansiedade, que a internet não era fácil para se conviver e que eu precisava ajudá-lo. Nunca cheguei a denunciar porque, primeiro de tudo, eu respeitava muito a família dele. E como já houve outros casos, ele sempre me dizia que sustenta a família dele e que não podia ser cancelado”.

Sequelas depois do término

Luana Targino afirma que após o fim definitivo do relacionamento os dois combinaram de seguir em frente e não falar mal um do outro e que, no fundo, se sentia culpada pelas situações que passou. “Achava que eu tinha sido falha porque pegava o celular dele, porque tentava descobrir as coisas”. A influenciadora relata também que Ale Oliveira costumava fazer comentários negativos em tons de brincadeira sobre o seu corpo e que, por isso, depois que os dois terminaram, chegou a fazer cirurgias plásticas.

“Quando a gente acabou eu fiz muitas cirurgias plásticas porque eu achava que o defeito estava em mim. Pensava ‘ele me traiu porque me faltva isso’. Inclusive ele tirava onda de mim com os amigos dele, brincava que eu era sem bunda, que outras meninas eram mais bonitas que eu”, desabafou.

Com o passar do tempo, Luana Targino diz que após ter tido uma melhora no psicológico e ter descoberto situações de traição, assim como comentários negativos sobre ela, decidiu expor. “Eu fui descobrindo as coisas que aconteceram e melhorando meu psicológico, comecei a ver que ele falava mal de mim, fui abrindo os olhos e vendo o que tinha acontecido, comecei a perceber que a culpa não foi minha de eu ter sido agredida ou traída”, afirmou.

Veja também  Resultado da prova objetiva e classificação do concurso da prefeitura de Sousa é divulgado nesta terça-feira (18)

Nos posts nas redes sociais, Luana Targino afirmou que conhecidos de Ale Oliveira presenciaram algumas situações. “Não tenho motivo nenhum pra mentir. Vou mentir aqui pra quê? Quem me conhece e que convivia sabe que ele já me agrediu na frente de outras pessoas. Essas pessoas sabem, mas elas não têm coragem de falar”, desabafou.

As traições

 

 

Luana Targino disse que chegou a conversar com Mayara Maia que disse ter sido influenciada pelo “inimigo”. Mesmo prometendo que a situação não iria se repetir, o envolvimento com Ale Oliveira continuou.

“Ela disse que foi uma tentação do ‘inimigo’, entendeu que isso não ia mais se repetir. Pediu para eu não falar nada com Lucas [Albert]. Mesmo eu tendo conversado com ela de mulher pra mulher, eu senti muita verdade nela, mas eles continuaram fazendo isso”, relatou.

A influenciadora afirmou ainda que depois do término descobriu outra traição de Ale Oliveira, desta vez com o influenciador Ray Silva, conhecido por “Coronel”. Luana relatou que o próprio Ray contou para ela, após terem se tornado amigos.

“Ele [Ale Oliveira] viajava muito sem mim. Ele sempre falava que não podia me levar porque ia a trabalho e aí, em uma dessas viagens, saiu com Ray, o Coronel, que é um dos meus melhores amigos hoje em dia. Ele [Coronel] ficou impressionado que Ale namorava porque ele não sabia”, explicou ela.

Mayara Maia se pronunciou nas redes sociais, mas apagou o story em seguida. A influenciadora disse que chegou a ter um envolvimento com o paraibano, mas que tudo não passou de conversas nas redes sociais. Mesmo assim, na época, resolveu tudo.

“Há 1 ano atrás esse fato que vocês estão comentando veio a acontecer mesmo, porém nunca cheguei a me encontrar com ninguém, tudo não passou de conversas por rede social, e logo em seguida, eu resolvi com todo mundo”.

Mayara ainda continua e diz que chegou a contar ao ex-namorado, Lucas Albert. “Eu errei, assumi o meu erro. Eu e meu ex conversamos, ele viu tudo, deixamos tudo claro e seguimos o namoro! O que aconteceu mexeu muito comigo”.

A importância da denúncia

De acordo com a delegada de Homicídios de João Pessoa, e antiga delegada da Mulher, Letícia Nascimento, em caso de violência contra a mulher, qualquer pessoa pode e deve realizar denúncias, especialmente se tratando de agressões físicas.

“Qualquer pessoa pode denunciar. Isso é importante porque pode causar um efeito repressivo no agressor”, disse a delegada. Em casos de violência psicológica, como ameaças, a vítima é chamada na delegacia para prestar depoimento e decidir se quer ou não seguir com o processo judicial.

Ao JORNAL DA PARAÍBA, a delegada reforçou a importância da denúncia feita através da própria vítima. “Quando é iniciativa da vítima, significa que ela está mais próxima de reconhecer e sair do ciclo de violência”.