Sustentabilidade é desafio na exploração energética

Energia sustentável é tema de Workshop realizado nos dias 16 e 17 deste mês no departamento de engenharia mecânica da UFCG.

Fontes de energia e petróleo são assuntos que estão sempre em evidência. Utilizar esses recursos naturais de forma que garanta a sustentabilidade do meio ambiente é um desafio que tem provocado pesquisadores da área, que buscam descobrir como explorar as fontes de energia de maneira sustentável.

Segundo a doutora em engenharia de materiais e professora do curso de engenharia de petróleo da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Adriana Cutrim, o Brasil é um dos poucos países que tem uma matriz energética equilibrada. Ou seja, o Brasil explora tanto as fontes renováveis de energia como as não renováveis.

Entende-se por fontes renováveis de energia aquelas que podem ser recompostas pela própria natureza, como cana-de-açúcar e água, por exemplo. Já as fontes de energia não renováveis são aquelas que com o tempo de exploração se esgotam na natureza, a exemplo do petróleo, carvão e gás natural. A professora Adriana Cutrim explica que uma matriz energética equilibrada contempla os dois tipos de fontes energéticas, “a exploração dessas fontes de forma equilibrada garante um consumo sustentável de energia e ainda assegura uma maior preservação das fontes não renováveis”, destacou.

De acordo com Adriana Cutrim, as fontes energéticas renováveis geram menos dano ao meio ambiente, “a utilização dessas fontes renováveis é uma importante alternativa para que haja uma exploração sustentável dos recursos naturais”, enfatizou. A professora ainda acrescentou que incentivar pesquisas em fontes de energias sustentáveis vai garantir a utilização a longo prazo desse recurso para a sociedade, como também a preservação do meio ambiente.

A professora do curso de engenharia de petróleo também informou que na Paraíba, a única instituição a oferecer esse curso é a UFCG, e destacou a importância da formação de profissionais na área não só para o Estado como para toda a região Nordeste.

“A Paraíba é um Estado privilegiado por formar esse tipo de profissional, que pode atuar no próprio Estado, se caso for confirmado o petróleo em Sousa, por exemplo, como em outros estados do país, já que a descoberta do pré sal vai gerar uma grande demanda de mão de obra nessa área”, explicou.

Para debater esses assuntos será realizado nos próximos dias 16 e 17, o I Workshop de Engenharia de Petróleo, oferecido pelo curso de engenharia de petróleo, do Departamento de Engenharia Mecânica da UFCG em parceria com a Fundação Parque Tecnológico da Paraíba.