O sinal dado por Bruno ao nomear Asfora Neto para Educação de Campina

Advogado foi por muitos anos o ‘multiauxiliar’ nas gestões do ex-prefeito Romero Rodrigues

Foto: Ascom

Alguns dizem que os movimentos políticos se traduzem em gestos. De fato, muitas vezes eles são reveladores de situações e tendências dentro desse universo. Dito isso, merece atenção especial a nomeação do advogado Raymundo Asfora Neto para assumir a Secretaria de Educação de Campina Grande – dentre os demais anúncios feitos nos últimos dias pelo prefeito Bruno Cunha Lima (PSD).
Amigo e pessoa da estrita confiança do prefeito, Asfora por muito tempo foi tido como futuro chefe de gabinete da prefeitura, mas acabou assumindo a Educação.
E, certamente, não foi por acaso. Bruno tem dito que pretende deixar na prefeitura, como legado, uma revolução na Educação municipal. Disse isso na campanha. Depois repetiu ao ser diplomado. E voltou a dizer durante a posse.
Poucos dias depois de eleito, avisou que a ‘Pasta’ e outras três seriam “inegociáveis”.
E o que foi dito começa a ganhar contornos na escolha de um nome de sua confiança e com capacidade administrativa já testada. Asfora, nas últimas duas gestões Romero, atuou como uma espécie de multiauxiliar da gestão – jogando bem em todas as áreas.
Esteve no Sine, Procon, Chefia de Gabinete, Urbema, Saúde e terminou como secretário de Esportes. Conhece a prefeitura, aliás, como poucos; e demonstrou sensibilidade política e de gestão.
Ao entregar a Asfora a Educação o prefeito sinaliza que vai priorizar a ‘Pasta’. Quer blindá-la de interferências (políticas) externas, evitar falhas ocorridas na gestão anterior – como na Operação Famintos – e ampliar os resultados alcançados nos últimos anos.
A escolha do novo secretário sintetiza o que vem sendo dito por Bruno. É um sinal dado. Um recado também.

Veja também  Quase R$ 100 mil em pães, biscoitos e bolos: TCE mantém decisão que julgou irregulares compras de prefeitura