Antes de pedir indicação a Bolsonaro, 2º colocado na UFCG prometeu só assumir se fosse 1º em lista

Em videoconferência com a ADUFCG, professor mostrou documento assinado e se comprometeu a respeitar lista tríplice

Foto: reprodução

O descumprimento de promessas feitas durante as campanhas – ou o ‘esquecimento’ delas – não acontece somente nas disputas da política partidária brasileira. Vez por outra a prática se repete, também, na briga por cargos de direção nas universidades públicas do país.
Parece ser o caso, por exemplo, da chapa encabeçada pelo professor John Kennedy Guedes, que ficou em segundo lugar no processo de escolha para Reitoria da UFCG, em Campina Grande.
Ontem viralizou nas redes sociais um vídeo em que a chapa faz um apelo ao presidente Jair Bolsonaro para ser indicada para a Reitoria da universidade.
Mas em um documento enviado à Associação dos Docentes da UFCG, assinado pelos professores (à época candidatos à Reitoria) em novembro passado, a chapa se compromete a só assumir o comando da instituição caso fosse 1ª colocada no processo interno de escolha.
Em uma videoconferência com representantes da ADUFCG, o professor John Kennedy ressalta a assinatura do documento.
Agora, passado o processo de escolha e os debates internos, a chapa parece ter esquecido o compromisso assumido.

 

Veja também  Com quadro reduzido, cúpula do bolsonarismo tenta colocar paraibano na disputa em 2022

Confira o documento:

Foto: reprodução