Porta aberta para Lula pode 'fechar' projeto de Efraim em chapa do governador

Foto: Secom

As portas do governador João Azevêdo (Cidadania) continuam abertas para a candidatura do ex-presidente Lula (PT) à Presidência. Recentemente, no Sertão, ele disse que mesmo com a possibilidade de dois palanques do petista, no Estado, “se ele (Lula) quiser tem o meu”.
Mas o governador disse que não terá apoiadores da reeleição do presidente Jair Bolsonaro em sua chapa.
“Estive com o presidente do partido e pedi que o Cidadania da Paraíba tivesse sua independência, porque logicamente não há a mínima possibilidade do governador da Paraíba apoiar a reeleição do presidente. É obvio que não tendo essa condição, nós só teremos em nosso palanque pessoas que se identifiquem com essa provável candidatura que nós vamos apoiar. Então é logico. Quando eu disse claramente que na nossa chapa não terá pessoas que apoiem a reeleição de Bolsonaro, é porque é pura verdade”, assinalou.

A junção das duas teses (apoio a Lula e rejeição a bolsonaristas) praticamente descarta, pelo menos nesse momento, o projeto do deputado Efraim Filho (DEM) de disputar o Senado na chapa de Azevêdo.

Isso porque, muito dificilmente, Morais não apoiaria a reeleição de Bolsonaro – em um cenário de polarização com Lula.
É verdade, também, que os cenários (nacional e local) para o processo eleitoral do próximo ano ainda podem ser modificados. Mas hoje a porta aberta para Lula pelo governador é a mesma que ‘fecha’ os planos de Efraim.
Com o apoio anunciado de mais de 100 prefeitos, Morais pode já estar pensando em ‘carreira solo’. Ou, quem sabe, em outras portas.

Veja também  Reunião entre tucanos e Romero e Bruno, em Brasília, vai definir rumos do grupo em 2022