Dados de ONG mostram que políticos da Paraíba estão mais ricos

Watteau Rodrigues (PC do B) admitiu ter enricado de dois anos para cá. Segundo suas declarações, seu patrimônio aumentou de R$ 52 mil para R$ 130 mil.

Phelipe Caldas

A Transparência Brasil apresentou nesta segunda-feira (4) um longo relatório que mostra o enriquecimento dos políticos brasileiros, e descobriu por exemplo que os candidatos pessoenses que disputaram as duas últimas eleições estão em média 2% mais ricos, e que a desproporção entre a riqueza dos vereadores pessoenses e o PIB per capita da cidade é de 34,9 vezes.

A conta é simples: para saber do enriquecimento da classe política, a ONG pegou os candidatos que tanto participaram das eleições de 2006 como da de 2008, comparou as declarações nas duas oportunidades, e chegou à diferença.

Já para saber a desproporção da riqueza dos vereadores com o PIB per capita, eles compararam as declarações de 2008 com números de 2005 do IBGE.

Como os dados da Transparência Brasil se limitam a analisar os políticos que concorreram em 2006 e 2008, apenas quatro políticos pessoenses se encaixam nesta situação.

E se for analisar individualmente as declarações de cada um, os números ficam ainda mais interessantes. Dos quatro analisados pela ONG, apenas o vereador Watteau Rodrigues (PC do B) admitiu ter enricado de dois anos para cá. Segundo suas declarações, seu patrimônio aumentou de R$ 52 mil para R$ 130 mil, numa elevação de 150%.

Numa tendência oposta, Padre Adelino tinha declarado em 2006 ter patrimônio de R$ 27 mil, mas desta vez disse não ter nenhum bem. Os outros dois vereadores analisados são Prof. Paiva (cujas declarações apontaram um suposto empobrecimento de pouco mais de R$ 4 mil), e Fuba (que diz ter ficado R$ 31 mil mais pobre de 2006 a 2008).

Em relação aos deputados estaduais e federais paraibanos eleitos em 2006 e que disputarão as eleições de 2008 (que não entraram na média por capital), dois admitiram estarem mais ricos, dois declararam estar mais pobres, e uma declaração não foi registrada.

Os mais ricos são dois concorrentes à Prefeitura de Patos e um à Prefeitura de João Pessoa. Dinaldo Wanderley está com um patrimônio R$ 73 mil maior, Socorro Marques está com um patrimônio R$ 104 mil maior e João Gonçalves com um patrimônio R$ 128 mil maior.

O único que se disse mais pobre, segundo suas próprias declarações, foi Aníbal Marcolino, que diz estar R$ 146 mil mais pobre.

A declaração do deputado federal Rômulo Gouveia de 2006 não foi publicada pelo levantamento da Transparência Brasil, mas a de 2008 está em R$ 738.493,00.