Especialistas apontam caminhos para a questão da segurança na Paraíba

Alta taxa de homicídios e ataques a bancos também estiveram entre os obstáculos apontados durante debate realizado na manhã de hoje pela rádio CBN João Pessoa.

Maior integração da Secretaria da Segurança e da Defesa Social com outras pastas, investimentos no efetivo policial e participação da população na elaboração de políticas públicas de segurança. Estas foram algumas das sugestões apresentadas por especialistas durante um debate realizado na manhã de hoje pela rádio CBN João Pessoa. Na pauta o assunto foi segurança, o terceiro tema abordado nas matérias da série “Desafios do Novo Governo”, produzidas esta semana pelos veículos da Rede Paraíba de Comunicação.

Na ocasião, estiveram presentes o professor universitário e especialista em violência Paulo Vieira de Moura e o ex-secretário de segurança pública Eitel Santiago. 

Segundo o professor Paulo Vieira de Moura, para que ocorram mudanças significativas neste cenário da violência são necessários projetos para tornar mais abrangentes e acessíveis as políticas de segurança na Paraíba.

Veja também  CBN promove sabatinas com pré-candidatos ao Governo da Paraíba; Jornal da Paraíba faz transmissão ao vivo

“Estas políticas são constituídas de forma isolada e foram atribuídas exclusivamente aos órgãos de segurança pública, como se somente as polícias, de modo geral, tivessem competência e isso fosse uma tarefa única. Não coube à população, por exemplo, participar efetivamente na elaboração e construção destas políticas. Nós temos que trazer o cenário da segurança à participação da sociedade também”, afirmou.

Já o ex-secretário de segurança pública Etiel Santiago ressaltou que faltam recursos e vontade política para resolver os problemas no Estado. “Aqui, a polícia, como em outros Estados, não é remunerada adequadamente. Faltam ainda armamento e uma conduta mais científica na apuração das infrações penais para evitar a impunidade, embora tenhamos no Estado grandes profissionais na polícia científica”, frisou.