João Paulo Medeiros

Farra do frango: município da Paraíba gasta R$ 12,5 mil para abastecer residência oficial de prefeita

Em três meses, prefeitura de Alagoinha pagou R$ 12.586,00 por frango ‘in natura’ para ser consumido na residência oficial. Na casa mora a prefeita da cidade

Foto: reprodução

Engana-se quem pensa que as prefeituras mais cobiçadas da Paraíba são João Pessoa e Campina Grande, por serem as duas maiores cidades do Estado. Em termos de ‘benesses’, o município de Alagoinha, com pouco mais de 14 mil habitantes, parece ser bem mais vantajoso. Lá o prefeito tem direito à residência oficial e alimentação custeada pelos cofres públicos, além de um salário de R$ 15 mil mensais.
A prefeita Maria Rodrigues de Almeida Farias, do PSDB, conhecida como Maria de Zé Roberto, conseguiu ir além. Somente nos três primeiros meses deste ano, a residência oficial da prefeitura, onde ela reside, consumiu R$ 12.586,00 com frango ‘in natura’. Os dados estão no Sagres, do Tribunal de Contas do Estado.
Foto: reprodução

A empresa que forneceu o produto, Maria Sandra Silva dos Santos Marculino, é a mesma que fornece frango para a merenda escolar e outros serviços do município.
O detalhe é que em março, por exemplo, a empresa forneceu R$ 3.685,90 em frango para ser usado na merenda da creche e de escolas públicas da cidade. No mesmo mês, a residência oficial da prefeita consumiu R$ 3.596,00 do mesmo produto. Um total descompasso entre os gastos e a importância das demandas.

Veja também  PSD e MDB enfrentam um mesmo risco na Paraíba: o da desunião em 2022

Confira os empenhos pagos, extraídos do Sagres:

Foto: reprodução

 
Foto: reprodução

 
Foto: reprodução

 
Foto: reprodução

 
Outro lado
Ao blog, a prefeita Maria de Zé Roberto explicou que a existência da residência oficial (imóvel da prefeitura onde moram os prefeitos) é antiga.
“Nossa cidade há anos tem a casa oficial, onde os prefeitos moram. Já passou por várias reformas, cada prefeito que vai morar faz suas adaptações”, disse, acrescentando que se for reeleita não pretende acabar com a ‘casa oficial’.
Quanto aos frangos comprados, ela disse que eles são usados na alimentação que é distribuída para funcionários da prefeitura, através de marmitas. “Moro na casa e consumo também. Mas há pessoas que trabalham e também consomem”, argumentou.
Pela quantidade de frango comprado com dinheiro público, conforme o Sagres, o consumo tem sido grande. Haja marmita na prefeitura de Alagoinha!