Quando resolverem conter Bolsonaro, poderá ser muito tarde para a democracia

Elio Gaspari, esse grande jornalista brasileiro, em artigo na Folha, nos preparou para – palavras dele – o maior espetáculo da Terra em Washington.

Quem leu Gaspari não se surpreendeu com a invasão do congresso americano por um bando de extremistas incitados pelo presidente Donald Trump.

O episódio fez desta quarta-feira (06) um daqueles dias que a gente guarda na memória, para não esquecer mais.

O maior espetáculo da Terra em Washington foi triste porque maculou a solidez das instituições americanas, pondo a longeva democracia dos Estados Unidos sob ataque, como reconheceu o presidente eleito Joe Biden.

De tão sólidas que são, as instituições americanas toleraram o intolerável desde o momento em que Trump começou a se insinuar como possível candidato do Partido Republicano.

Toleraram na campanha que o levou à Casa Branca, seguiram tolerando nos quatro anos do seu mandato e ainda o fazem nesses poucos dias que nos separam da posse de Biden.

O maior espetáculo da Terra em Washington deixa grandes e profundas lições para os Estados Unidos, suas instituições e sua democracia.

Veja também  Morre aos 72 anos o homem que tocou bateria em Imagine, de John Lennon

Deixa também para nós, brasileiros, e para nossas instituições nem tão sólidas assim.

O então deputado Jair Bolsonaro homenageou um torturador ao votar pela admissibilidade do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Pareceu um tributo normal, nada aconteceu.

Candidato à presidência, Bolsonaro atentou diversas vezes contra os valores democráticos, sob o olhar complacente dos que nele votariam, das instituições e da mídia.

Presidente, prossegue na sua jornada de desconstrução do país e ataques à democracia.

Como nos Estados Unidos de Trump, no Brasil de Bolsonaro o presidente é tolerado quando pratica o intolerável.

Em 2022, poderemos ter, entre nós, um remake do que vimos em Washington no dia em que o parlamento ratificaria a eleição de Joe Biden. Basta que Bolsonaro não seja reeleito e dê início à narrativa de que a eleição foi fraudada.

Já passou da hora de conter Bolsonaro.

Quando vamos entender?