João Paulo Medeiros

João Azevêdo e Bruno caminham para quebrar 'jejum' de convênios entre Estado e prefeitura de Campina Grande

Audiência aconteceu no Palácio da Redenção. Estado deve passar gestão do Parque de Bodocongó para prefeitura

Foto: Ascom

A audiência de hoje entre o governador João Azevêdo (Cidadania) e o prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD), terminou com a sinalização de que as duas partes querem acabar com um ‘jejum’ – inconveniente e desnecessário – de convênios e parcerias entre o Estado e a prefeitura de Campina Grande.
O prefeito apresentou pleitos e o governador propôs a realização de estudos, feitos por membros das duas gestões, para viabilizá-los.
Foi a segunda audiência entre os dois (Bruno e João Azevêdo), desde o fim do ano passado.

De consenso ficou acertado que o Estado repassará à prefeitura a gestão do Parque de Bodocongó. “Existe um entendimento nesse sentido, de que o espaço deve ser administrado pelo município”, disse ao blog um dos auxiliares do Governo estadual – que participou do encontro.

Na Saúde a prefeitura pede um aprimoramento na troca de informações sobre produtividade e reforço da ajuda do Estado para a oncologia. O município também pretende abrir espaço para parcerias com o Estado na continuação do Canal de Bodocongó e no desenvolvimento industrial do Complexo Aluízio Campos.

No Transporte Público pediu isenção de ICMS sobre o combustível – para tentar amenizar a crise atual do sistema.

Os pleitos, como eu disse, receberam o indicativo de que serão analisados.
Mas o fato é que a audiência sinaliza um novo momento. Embora Estado e prefeitura tenham entrado em rota de colisão por diversas vezes durante a pandemia, a postura de Bruno e João Azevêdo, de sentarem à mesa (com mais frequência), não era vista há anos na Paraíba.
O ‘jejum’, de gestões passadas, precisa ser quebrado.

Veja também  O dia ‘D’ de Romero, a ‘emancipação política’ e os ventos turbulentos de Brasília