À CBN Paraíba, Geraldo Alckmin fala sobre potencial do estado em nova política industrial; VÍDEO

Segundo Alckmin, a nova política é “transversal”, e deve abranger pesquisa, desenvolvimento e inovação, beneficiando a Paraíba, que nas palavras dele é “campeã” em indústria verde

Jornalista Felipe Nunes entrevista vice-presidente Geraldo Alckmin / Foto: EBC

O vice-presidente da República, Geraldo Alckmin, falou nesta quarta-feira (07), sobre os potenciais da Paraíba no contexto das políticas de desenvolvimento e reindustrialização adotadas pelo Governo Federal, em especial a Nova Indústria Brasil (NIB). Alckmin, que também é ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), foi questionado pelo jornalista Felipe Nunes, da CBN Paraíba, durante o programa “Bom dia, ministro”, veiculado pela Empresa Brasileira de Comunicação (EBC).

Segundo Alckmin, a nova política é “transversal”, e deve abranger pesquisa, desenvolvimento e inovação, beneficiando a Paraíba, que nas palavras dele é “campeã” em indústria verde. Ele citou os exemplos das energias solar e eólica, que se desenvolvem no estado com investimentos privados, e confirmou a premissa de que a localização privilegiada do Porto de Cabedelo, mais próximo da Europa, é um fator positivo para a Paraíba.

“Nós temos aí polos de várias áreas, seja têxtil, confecção, automotivo, químico, e farmacêutico, e você colocou bem a importância da infraestrutura portuária, já que 95% da exportação ocorre através dos portos”, lembrou.

Embora não tenha dito quais medidas específicas devem beneficiar o estado diretamente, o ministro citou ações da nova política que devem alcançar a Paraíba, como o estímulo à exportação para as pequenas empresas e o programa de depreciação acelerada, que deve beneficiar as indústrias. O programa prevê incentivos à modernização do parque fabril brasileiro em 2024, com incentivo a compra de máquinas, equipamentos e aparelhos novos.

Elaborada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial (CNDI), a Nova Indústria Brasil tem como meta promover um processo de neoindustrialização. O programa divide opiniões, já que para alguns especialistas significa mais intervenção estatal na economia, em um contexto de alta de gastos públicos, enquanto defensores da medida veem como importante o estímulo à indústria nacional para a economia.

Assista trecho da entrevista a seguir

Desoneração

Na entrevista, Alckmin também foi questionado sobre desoneração da folha de pagamentos para 17 setores da economia, que tem sido motivo de uma queda de braços entre Palácio do Planalto e o Congresso Nacional. Segundo ele, a preocupação do governo é com a “responsabilidade fiscal”, visando a meta de déficit primário zero para 2024.

O setor produtivo da Paraíba já se manifestou a favor da continuidade do programa. O objetivo é a manutenção de empregos. Por outro lado, o Governo Federal vê “inconstitucionalidade” na matéria e editou uma Medida Provisória, no fim de 2023, retomando os impostos sobre a folha de pagamentos.

Ontem, o senador Efraim Filho (União), autor do projeto da desoneração, se reuniu com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad para discutir o assunto. “O caminho é o diálogo. Eu acredito que passado o Carnaval, retomam-se as negociações para que possamos encontrar uma solução e para que a economia possa crescer forte, como cresceu no ano passado”, afirmou Alckmin.