Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Mais de 480 agentes de segurança e salvamento se recusaram a tomar vacina na Paraíba

Por ANGÉLICA NUNES e LAERTE CERQUEIRA 

 

Foto: divulgação/Secom-PB

Mesmo incluídos como grupo prioritário da vacinação contra Covid-19, pelo menos 485 profissionais das forças de segurança da Paraíba se recusaram a tomar o imunizante. Na lista estão policiais civis e militares e do Corpo de Bombeiros. O caso está sendo sendo monitorado pela Secretaria de Estado da Segurança para providências.

De acordo com dados obtidos pelo Portal T5, por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI), o maior número dos agentes que se recusou a tomar a vacina são do efetivo da Polícia Militar. Apesar de 55,22% da corporação ter recebido a primeira dose do imunizante, 410 agentes da ativa e da Guarda Militar da Reserva se recusaram a tomar a vacina.

Na Polícia Civil, 1.873 agentes foram imunizados, mas 26 teriam se recusado a tomar a vacina. Ainda segundo o levantamento, até o dia dia 28 de junho, 1.129 bombeiros militares foram vacinados, representando 87% do efetivo. A corporação registrou 49 recusas de recebimento da vacina entre os integrantes.

Na resposta ao pedido, a Secretaria de Segurança da Paraíba informou que os integrantes das corporações assinaram documentos afirmando que não tomariam o imunizante. Nesta terça-feira (6), no entanto, a assessoria do órgão explicou que a motivação não foi esclarecida. Por isso, as pessoas já podem ter tomado a vacina por outros grupos prioritários.

Em entrevista à TV Cabo Branco, nesta terça-feira, o secretário de estado da Saúde, Geraldo Medeiros, condenou a atitude. “Este é um momento de empatia com o próximo, de cidadania, não há nenhum motivo para esse tipo de atitude que só atrapalha a campanha de vacinação”, afirmou.

Vacinação

A vacinação dos agentes de Segurança Pública foi iniciada no dia 8 de abril, sempre em quatro polos, distribuídos nas unidades do Corpo de Bombeiros Militar em João Pessoa, Campina Grande, Patos e Sousa.

Veja também  Tucanos cobram definição de Romero, mas já acionam Pedro como ‘plano b’ para 2022

De acordo com o Vacinômetro do Estado, até o momento 5.304 agentes das Forças de Segurança foram imunizados com a primeira dose e apenas 13 com a segunda dose da vacina. De acordo com o Plano Nacional de Imunixação, o grupo prioritário engloba 10.426 profissionais.

Dados consolidados

Em nota, a Secretaria da Segurança e da Defesa Social (Sesds) informou que, até sexta-feira (9), será finalizado o processo de vacinação da 1ª dose para os policiais e bombeiros da ativa, e finalizado o levantamento por parte de cada órgão – Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros Militar, com a quantidade de vacinas aplicadas.

A Sesds informa ainda que a imunização é facultada a esses servidores. As doses oferecidas e não aplicadas serão remetidas à Secretaria de Estado da Saúde.

PM faz campanha

Já a assessoria da PM informou que a corporação vai lançar uma campanha para que haja o comparecimento de 100% na 2ª dose, que deve ser concluída até outubro. O objetivo é conscientizar os policiais sobre o ato de cidadania que o gesto de vacinar demonstra, já que além das medidas pessoais, a exemplo de usar máscara e manter a higienização das mãos, a vacina é atualmente o meio mais eficaz de vencer a pandemia.

“Não queremos que nada atrapalhe o comparecimento dos policiais para receber a 2ª dose. Como vem acontecendo com a população em geral, o receio da reação à vacina que houve na 1ª dose, não pode ser obstáculo para chegarmos a imunização completa. Já lançamos o desafio para que, num processo de humanização e proximidade com nossos policiais, a Diretoria de Saúde e os comandos das unidades conversem e tirem as dúvidas para que antes de outubro tenhamos a polícia militar totalmente imunizada para proteger mais à população, como temos feito desde o primeiro dia de pandemia”, destacou o comandante-geral da PM, coronel Euller Chaves.