Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Pedido de cassação da prefeita Luciene Gomes é protocolado na Câmara de Bayeux

Por LAERTE CERQUEIRA e ANGÉLICA NUNES

Foto: Secom/PMB

Foi protocolado, na Secretaria Legislativa da Câmara Municipal de Bayeux, um pedido de cassação da prefeita Luciene Gomes, do PDT.

O documento com as denúncias foi endereçado ao presidente da Casa, vereador Noquinha, e apresentado por Afe Nascimento, com base em denúncias do vereador de oposição Jefferson Oliveira.

A prefeita é acusada de fazer pagamento indevido de um contrato de lixo de 2014, no valor de R$ 2 milhões, ainda na gestão do ex-prefeito Expedito Pereira. Segundo Jefferson, a quitação da dívida não seguiu uma ordem cronológica de pagamentos, nem foi por meio de decisão judicial ou teve uma justificativa de benefício ao erário. O que tornaria o pagamento irregular.

O vereador afirma que a prefeitura também não repassou quase R$ 3 milhões para o Instituto da Previdência do Município.

Veja também  João Azevêdo viaja a Brasília onde Romero decide se ainda é pré-candidato da oposição

O pedido de cassação vai ser apresentado na próxima sessão, após o recesso. Os vereadores votam para aceitar ou não.

Se não aceitarem, o pedido é arquivado. Caso aceitem, um comissão formada por três vereadores tem 90 dias para apresentar parecer e colocá-lo para votação. Na Câmara, são 17 parlamentares, a maioria absoluta é da base da base da prefeita.

Luciene Gomes foi eleita ano passado na eleição direta. Mas, meses antes, em agosto, assumiu por meio de uma eleição indireta, após renúncia de Berg Lima, acusado de corrupção.

Defesa

Em nota, a defesa de Luciene afirmou que todo e qualquer pagamento feito pela atual administração de Bayeux seguiu à risca a legislação orçamentária e fiscal e possuía dotação orçamentária aprovado pelo legislativo.

NOTA DE ESCLARECIMENTO – Luciene Gomes