Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Jornalistas atacadas por bolsonaristas recebem apoio de Daniella Ribeiro e API

Por ANGÉLICA NUNES e LAERTE CERQUEIRA 

 

Foto: Diogo Almeida/G1

A senadora Daniella Ribeiro (Progressistas) lamentou os ataques de defensores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a jornalistas que faziam a cobertura da visita da primeira-dama Michelle Bolsonaro e do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em João Pessoa, na manhã de hoje (13). As jornalistas mulheres, Iracema Almeida, do Jornal A União, e Sandra Macêdo, da rádio 98 Correio FM, conforme nota da Associação Paraibana de Imprensa, sofreram ataque verbais e quase físico dos militantes bolsonaristas.

A solidariedade da senadora, na nota, também se estende ao repórter Maurílio Júnior, e a todos os profissionais que direta ou indiretamente foram atacados de forma covarde e irresponsável.

Para a senadora paraibana, a liberdade de imprensa é fundamental é indispensável em uma democracia e em momento algum pode ser alvo de ataques ou de intimidação. Ela se solidarizou com as jornalistas, que foram covardemente chamadas de vagabundas, em uma clara violência de gênero.

Veja também  TRE da Paraíba cassa mandatos de três deputados estaduais e uma suplente; cabe recurso

É crime

Daniella destacou que essa situação específica pode ser enquadrada na Lei 14.188/2021, que combate à violência psicológica contra a mulher, aprovada recentemente.

A lei prevê pena de reclusão de seis meses a dois anos, e multa, para caso de danos emocionais à mulher que a prejudique e perturbe seu pleno desenvolvimento ou que vise a degradar ou a controlar suas ações, comportamentos, crenças e décimos, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, chantagem, ridicularização, limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que cause prejuízo à sua saúde psicológica e determinação.

Por fim, Daniella lembra que as diferenças políticas não podem, jamais, justificar violência de qualquer natureza.