Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Veneziano presta homenagem pelos 70 anos de fundação do Grupo São Braz

Pronunciamento foi feito durante sessão no Senado Federal nesta terça-feira (28).

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB) prestou uma homenagem ao Grupo São Braz pelas comemorações dos 70 anos, durante sessão no Senado, na noite desta terça-feira (28). No voto de louvor, o paraibano destacou ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que a empresa é da Paraíba, com origem em Campina Grande, e se consolidou consolidou no estado como uma das maiores contribuintes de Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS).

Em seu pronunciamento, Veneziano também lamentou a morte do empresário José Carlos da Silva, presidente do grupo, vítima da Covid-19, o que, em sua opinião, deixou uma grande tristeza para ele, em especial, e a todo povo paraibano.

Quero, por isso, fazer as saudações aos mais de 6 mil companheiros de trabalho, pela geração de empregos de forma direta e indireta. Quero saudar o grupo também nas pessoas dos familiares de nosso querido, inexcedível e sempre lembrado empresário, José Carlos da Silva Júnior. Com este voto, um registro de louvor por sete décadas de colaboração para com a economia do estado da Paraíba, que não deixa de fazer esse reconhecimento – e nós o fazemos aqui de forma pública, declarou.

São Braz

Posicionada como uma das principais indústrias de alimentos da região Nordeste do Brasil, a São Braz está entre as seis maiores torrefações de café do país. Desde sua fundação, em 1951, a empresa vem constantemente investindo em novos produtos e tecnologias para levar qualidade à mesa do consumidor brasileiro.

Veja também  Consórcio Nordeste cobra ‘urgência’ a Queiroga na compra de CoronaVac para crianças e adolescentes

A empresa era conduzida pelo empresário José Carlos da Silva Júnior até este ano. Ele deixou um legado que vai bem além da indústria de sucesso que é hoje a São Braz. Seu tino empresarial é, sem dúvida, a grande herança que passou para seus filhos – Ricardo Carlos, Eduardo Carlos e Eliane Freire – e toda sociedade paraibana.