Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Na Paraíba, Dória critica “furar teto” de gastos para pagar novo Bolsa Família

Governador de São Paulo está na Paraíba para prévias do PSDB e apresentou propostas de investimento para a região.

Foto: divulgação/PSDB
Foto: divulgação/PSDB

O governador de São Paulo, João Dória, fez duras críticas aos planos do governo Bolsonaro de furar o teto de gastos para implantar o novo Bolsa Família, que deverá ter o valor de R$ 400. Em campanha na Paraíba, para viabilizar seu nome como candidato do PSDB, na disputa presidencial em 2022, o tucano concedeu uma coletiva à imprensa em um hotel de João Pessoa, na manhã deste sábado (23).

Sou radicalmente contra furar o teto. Isso é crime de responsabilidade fiscal. Aliás, isso já foi feito no Brasil, num passado não muito remoto, e por conta disso houve o impeachment da presidente Dilma Rousseff”, afirmou Dória.

Dória questionou a má gestão do governo Bolsonaro, por não ter realizado a reforma administrativa e previdenciária, nem enxugado os gastos públicos, como diminuição e venda de algumas estatais, como os Correios, da Eletrobrás e da Petrobras. “Continua um estado pesado e incapaz de realizar políticas públicas sem furar o teto”, comentou.

Em sua análise, essa instabilidade econômica acabou gerando como resposta automática do mercado o aumento do dólar, a queda da bolsa e a desconfiança internacional sobre o Brasil. “O Brasil não é um parquinho em que o dono do parque brinca como quer. As regras fiscais precisam ser respeitadas”, completou.

Em especial sobre a Petrobras, ele enfatizou que a modelagem de privatização não seria através de um monopólio privado, mas como split (desdobramento de ações) para que ela possa disputar mercado. Também pretende tornar obrigatório, nessa modelagem, a criação de um Fundo para garantir que diante de aumentos circunstanciais do preço do petróleo internacional, ele seja acionado para não penalizar o consumidor.

Veja também  Decisão do TCE: ex-prefeito da Paraíba terá de devolver mais de R$ 3 milhões

Investimentos no Nordeste

Além de questionar a política do ministro Paulo Guedes na gestão do orçamento federal, Dória também fez um aceno ao mercado nordestino, ao falar de investimentos e planos para a desenvolvimento da região, num cenário em que se tornaria presidente. “Eu quero um Nordeste independente”, enfatizou.

Dentre as áreas em que o governo poderia investir para o desenvolvimento do Nordeste, destacou Dória, está uma política de ampliação dos sistemas de energia solar. Sua sugestão é criar um programa nacional que fomentasse a venda do que fosse produzido para o sudeste, que é o maior consumidor de energia do país.

O turismo, segundo ele, deveria ir além da exploração do litoral para também ser incrementado com o turismo rural, de aventura e o religioso. A sugestão sobre este último não foi à toa, mas inspirado após ter conhecido ontem (22), em Guarabira, o santuário de Frei Damião. No local é realizado um dos maiores eventos religiosos da região.

Tucanos unidos

O governador de São Paulo também comentou sobre o processo inédito de eleição interna realizado pelo PSDB, do qual disputa com o governador do Rio Grande Sul, Eduardo Leite, e com o ex-senador Arthur Virgílio. Disse que a legenda saíra ainda mais forte do processo, porque, apesar das diferenças de entendimento sobre vários aspectos da coisa pública, os tucanos tem a democracia como princípio básico.