Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

TCE imputa débito de R$ 241,2 mil a servidor da Cagepa que acumulou cargo como vereador

O caso, julgado nesta terça-feira (03), teve relatoria do conselheiro André Carlo Torres Pontes. 

Foto: TCE-PB/Divulgação

A 2ª Câmara do Tribunal de Contas da Paraíba (TCE-PB) imputou débito R$ 241,2 mil a um servidor da Companhia de Águas e Esgotos da Paraíba (Cagepa) por ter acumulado irregularmente, entre os anos 2015 e 2021, o cargo de presidente da Câmara Municipal de Nova Olinda. O caso, julgado nesta terça-feira (03), teve relatoria do conselheiro André Carlo Torres Pontes.

No relatório ficou demonstrado que o servidor Valter Gonzaga de Souza foi eleito vereador para mandato na Câmara de Nova Olinda, optando pela remuneração do cargo de origem, no caso, servidor da Cagepa, tendo em vista a incompatibilidade de horários. No entanto, ao assumir, passou a receber também os subsídios de vereador pagos por ele mesmo na condição de presidente da Casa.

De acordo com Carlo Torres, Valter Gonzaga presidiu a Câmara Municipal de Nova Olinda entre os anos de 2015 e 2016, e após esse período, continuou a receber os subsídios de vereador, mantendo a remuneração da Cagepa sem prestar serviços na empresa, só vindo a solicitar sua lotação para o município de Nova Olinda em 2021, quando já tramitava a denúncia no âmbito do TCE.

Veja também  João admite participação da iniciativa privada, mas nega privatização da Cagepa

Valter Gonzaga foi eleito para um novo mandato nas eleições passadas, pelo DEM.

Na decisão, também foi fixada uma multa de R$ 10 mil ao servidor, a ser recolhida no prazo de 30 dias, com o encaminhamento de cópias da decisão ao Ministério Público Estadual para as providências cabíveis e determinação à direção da Cagepa visando abertura de processo administrativo para apurar outros indícios de irregularidades.