Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Prefeitura de Santa Rita vai entrar na Justiça para garantir manutenção do abastecimento de água em Várzea Nova

Segundo a Procuradoria do Município, o contrato de rescisão com a Cagepa prevê a manutenção do abastecimento no bairro até que a nova empresa que ganhou a licitação, Águas do Nordeste, implante um sistema próprio. 

A prefeitura de Santa Rita afirmou, por meio de nota, que entrará na Justiça para garantir que a população do bairro de Várzea Nova continue recebendo água do sistema de Marés, que é de João Pessoa e administrado pela Cagepa.

Segundo a Procuradoria do Município, o contrato de rescisão prevê a manutenção do abastecimento no bairro até que a nova empresa que ganhou a licitação, Águas do Nordeste, implante um sistema próprio.  A foi a única a participar de processo licitatório e terá que investir R$ cerca de 250 milhões até 2033.

“A Cagepa foi notificada para negociar o abastecimento de água em 17/09/2018 e nunca ofereceu resposta ao município. Na própria ação judicial, o bairro de Várzea Nova foi excluído da discussão processual, conforme afirmação procedida pelo desembargador Saulo Henrique de Sá
Benevides: “A área de Várzea Nova, justamente por ser assistida pelo sistema de Marés, foi isolada pela edilidade, permanecendo a prestação de serviço com a Cagepa”, afirmou a prefeitura de Santa Rita.

Veja também  Opinião: Aguinaldo demora a decidir o que vai fazer da vida política e enfraquece grupo governista na Paraíba

De acordo com a nota, Várzea Nova nunca fez parte dessa discussão, de modo que o desabastecimento é uma medida, segundo a gestão, desumana.

Cagepa

De acordo com a Cagepa, ao assumir a gestão do serviço, a prefeitura e nova empresa devem garantir o abastecimento em Várzea nova porque o sistema gerador é o de João Pessoa. Mas, em nota divulgada na manhã desta sexta-feira (13), a Companhia garantiu que vai retomar o abastecimento, após determinação dom governador. Veja:

E agora? 

Agora, a civilidade e o compromisso público devem motivar os gestores públicos e privados a encontrar uma solução rápida para a situação. Se não conseguirem sozinhos, que recorram a órgãos como o Ministério Público para um acordo rápido.