Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Queiroga é convidado por comissão da Câmara para explicar atuação de Queiroguinha na liberação de recursos

O ministro Marcelo Queiroga não é obrigado a comparecer porque é um convite. Queiroguinha é pré-candidato a deputado federal pelo PL, mesmo partido do presidente Jair Bolsonaro. 

O ministro da Saúde, o paraibano Marcelo Queiroga, foi convidado pela Comissão do Trabalho, Administração e Serviço Pública da Câmara dos Deputados para explicar a atuação de seu filho, Antônio Cristovão Neto, o Queiroguinha, na pasta.

Queiroguinha tem atuado como intermediário para a liberação de recursos do ministério, segundo prefeitos. Reportagens de O Globo trouxeram as denúncias.

O ministro Marcelo Queiroga não é obrigado a comparecer porque é um convite.

Queiroguinha é pré-candidato a deputado federal pelo PL, mesmo partido do presidente Jair Bolsonaro.

Mas, segundo prefeitos, e vídeos de eventos do Ministério da Saúde, Queiroguinha tem atuado como representante do seu pai e trabalhado para conseguir a liberação de recursos públicos da pasta para atender a demandas de prefeituras da Paraíba. Veja vídeo abaixo:

Ao que se verifica, mesmo não investido em cargo público, o filho do Ministro da Saúde vem exercendo atribuições que legalmente são acometidas a servidores públicos, assumindo papel relevante no Ministério da Saúde, no que diz respeito às escolhas políticas para a destinação de recursos públicos, orientando decisões administrativas e interferindo diretamente na gestão do interesse públicos”, afirmou o deputado Bira do Pindaré (PSB-MA) no requerimento aprovado nesta terça-feira pela Comissão.

O caso também é investigado pelo Ministério Público Federal.

Veja também  Mesmo inelegível, PT registra candidatura de Ricardo Coutinho ao Senado da Paraíba

O deputado criticou a “demora” da Procuradoria-Geral da República (PGR) analisar uma representação do PSB contra o ministro Marcelo Queiroga.

Há três semanas, o partido protocolou uma solicitação para que a PGR investigue o ministro nas esferas administrativa, penal e eleitoral. A representação teve como base reportagens do GLOBO sobre o caso.

Com informações de O Globo