Presidente do PT diz que decisão final sobre disputa em João Pessoa é da nacional

A executiva municipal do PT de João Pessoa deve se reunir nesta sexta-feira (1º) para aprovar o calendário eleitoral para as eleições.

A executiva municipal do PT de João Pessoa deve se reunir nesta sexta-feira (1º) para aprovar o calendário eleitoral do partido. O principal ponto é definir a data para a eleição interna que visa escolher quem do partido vai para a disputa à prefeitura de João Pessoa.

No páreo estão, principalmente, a deputada Cida Ramos e o deputado e ex-prefeito Luciano Cartaxo. Os petistas, inclusive, andam em pé-de-guerra neste processo interno, com troca de farpas e acusações mútuas.

Cida tem a preferência de boa parte da militância e Cartaxo estaria correndo por fora em busca de apoio de nomes da executiva nacional, com idas a Brasília.

Decisão da nacional

Ao Conversa Política, o presidente do PT de João Pessoa, Marcos Túlio, admitiu que a decisão final está nas mãos da direção nacional do partido.

Qualquer decisão de uma capital ela precisa ser referendada pela nacional. Isso é o estatuto do PT, eu não posso dizer que não é assim porque o estatuto diz isso”, disse.

Apesar disso, Marcus Túlio disse que não acredita que venha acontecer uma intervenção nas decisões na capital, como aconteceu em anos anteriores.

“Nós temos feito tudo em conjunto com a nacional, em harmonia com a nacional. Então não vai ter intervenção da nacional aqui. Vai ter decisões conjuntas entre nós e a nacional. E, a preço de hoje, tudo, todas as informações que nós temos declaradas por dirigentes nacionais é que em João Pessoa tem candidatura própria. Mas óbvio que a palavra final da nacional, porque isso é o que está no nosso estatuto”, ponderou.

Uma intervenção da nacional do PT não seria novidade nas eleições majoritárias de João Pessoa. A intervenção aconteceu após o diretório municipal compor uma chapa com Anísio Maia (PT) como candidato a prefeito de João Pessoa e Percival Henriques (PCdoB) como candidato a vice-prefeito. A direção nacional do PT decidiu apoiar o candidato Ricardo Coutinho (PSB) e chegou a indicar Antônio Barbosa como vice, mas o nome dele foi retirado após a Justiça Eleitoral habilitar a chapa Anísio-Percival.

A intervenção da Executiva Nacional no Diretório do PT em João Pessoa acabou sendo anulada pela Justiça.