João Paulo Medeiros

Campina Grande volta a 'ter voz' em comissão que define estratégias da Saúde na Paraíba

Segunda maior cidade do Estado, Campina atende pacientes de outros 170 municípios

Foto: Ascom

Parece inacreditável, mas a segunda maior cidade da Paraíba – referência em saúde pública para dezenas de outros municípios do Estado – não tinha assento titular, até a última segunda-feira (03), na Comissão Intergestores Bipartite (CIB). O grupo discute as principais estratégias e ações em saúde e, na pandemia, tem tido um papel importante na definição dos serviços e atendimentos de covid-19 na Paraíba.
Até o início da semana, contudo, não tinha a participação de Campina. Uma falha visível, considerando que a cidade atende pacientes com covid-19 de 69 municípios e é referência para 170 cidades em outros serviços.

O retorno de Campina à Comissão já vinha sendo reivindicado há meses pela Saúde municipal. O município não participava da CIB desde 2017.

A volta é uma conquista da cidade. É, contudo, mais que isso. Significa que Campina Grande voltará a ter, de forma justa, voz ativa no debate sobre a saúde pública no Estado. Não será somente ‘ouvinte’ nas discussões…
O reingresso é uma vitória também do secretário de saúde do município, Filipe Reul. Em alguns momentos, ele foi uma voz solitária ao pleitear o espaço.
No impasse da regulação dos leitos de covid, por exemplo, Reul lembrou que as decisões tinham sido tomadas sem Campina no debate.
Com o retorno a cidade sai fortalecida.
Volta para o lugar de onde, aliás, nunca deveria ter saído. Afinal, não há política de saúde pública na Paraíba sem a presença, decisiva, de Campina Grande.

Veja também  Por nomear filha e genro, ex-presidente de Câmara tem condenação mantida pela Justiça